23:46 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    4011
    Nos siga no

    O representante dos destacamentos curdos da ‘Forças Democráticas Sírias’ curdas que possuem base perto da fronteira com a Turquia, Coronel Talal Salah, declarou que eles não realizaram disparos contra a Turquia do território da Síria.

    O jornal turco Hurriyet, citando fontes militares, informou que militantes do grupo terrorista Estado Iislâmico (Daesh) haviam disparado fogo do território da cidade síria de Kilis, na fronteira com o sudeste da Turquia. Durante o ataque, de acordo com a mídia turca, uma pessoa morreu.

    "Não houve tiroteio da Síria em direção à Turquia e não sabemos nada sobre o suposto ataque de resposta por parte da Turquia", disse Salah.

    "As forças democráticas da Síria" são uma união das forças da oposição armada no norte da Síria. Os principais grupos constituem o núcleo das Unidades de Proteção do Povo Curdo. A aliança também inclui árabes, turcomanso, assírios e as forças armadas da Armênia.

    De acordo com relatos da mídia, no território de Kilis foram realizados cinco disparos do território sírio, que motaram  uma pessoa escudos explodiu em um bairro residencial da cidade, como resultado uma pessoa morreu e várias ficaram feridas. Os feridos foram hospitalizados, e a polícia isolou a área.

    Como informou posteriormente o canal televisivo NTV, militares turcos abriram fogo de resposta contra o território sírio que é controlado pelo ‘Estado Islâmico’. 


    Mais:

    Curdos sírios continuam operação antiterrorista no meio de cessar-fogo
    Curdos liberam Tell Abyad, eliminando 70 terroristas
    Curdos sírios pedem a Rússia e EUA que forçem adesão do Exército Livre Sírio a cessar-fogo
    Nada pessoal, são só negócios: EUA não se importam com posição turca sobre curdos sírios
    Curdos resgatam jovem sueca de 16 anos das mãos do Daesh no Iraque
    Tags:
    disparos, fronteira, curdos, Daesh, Estado Islâmico, Síria, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar