15:47 18 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos em distrito de Khogyani, província de Nangarhar, Afeganistão, 13 de agosto de 2015

    EUA: ‘Quando procuram, nunca estão’, mas quando não, estão ao dispor

    © AFP 2018/ WAKIL KOHSAR
    Mundo
    URL curta
    1384

    De acordo com dados da ONU, 2015 tornou-se o pior ano para o Afeganistão em relação ao número de vítimas entre os civis depois de 2009.

    Entre eles 3.545 pessoas foram mortas e 7.457 ficaram feridas. Mulheres e crianças equivalem a 50% deste total. As crianças são os que mais sofreram. Cada quatro de dez mortos é criança.

    O ex-ministro do Interior, coronel-general Abdoul Hadi Khaled, confirmou, em entrevista à Sputnik, que as baixas entre os civis no ano passado foram colossais.

    “Qual é a razão de perdas? Os EUA e a OTAN retiraram em 2014 cerca de 140 mil [soldados] do Afeganistão, os restos 10 mil já não participaram das ações militares”, afirmou Khaled.

    Ao mesmo tempo, segundo o general, o Exército afegão não estava prestes a ações independentes. A Força Aérea afegã foi muito fraca. Não tinha apoio no terreno, que foi necessário.

    O inimigo considerou que conseguiu expulsar os EUA e a OTAN do país e tomaram o controle de uma série de províncias.

    “Aconteceu que os talibãs usaram a fraqueza do Exército afegão, abandonado pelos EUA e a OTAN”, disse.

    Segundo Khaled, o que [e mais importante [e que todos os bandidos, terroristas, narcotraficantes conseguiram unir os esforços e levaram as suas atividades violentas para zona residenciais onde a população é densa. Assim, a única explosão levava à morte de centena de pessoas.

    Entretanto, o povo afegão conseguiu aguentar e lutar percebendo para que combatem.

    A situação no Afeganistão piorou visivelmente nos últimos meses. O movimento terrorista Talibã, que anteriormente conquistou grandes territórios nas áreas rurais do país, agora iniciou uma ofensiva contra as grandes cidades.

    O Daesh também está ampliando a sua atividade no Afeganistão. Segundo informou a chancelaria russa, por exemplo, a ameaça de criação de uma praça-forte do Daesh no Afeganistão, para desestabilizar a região, torna-se cada vez mais real.

    Tags:
    terroristas, tropas, Exército, Talibã, OTAN, ONU, Afeganistão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik