15:07 25 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    306
    Nos siga no

    O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, se manifestou em tom de crítica em relação à Rússia, que, de acordo com ele, fornece apoio aéreo às forças de defesa dos curdos sírios.

    A declaração de Davutoglu foi feita após a explosão de um carro-bomba na última quarta-feira (17) em Ancara, próximo ao prédio do parlamento e do Estado Maior da Turquia. Morreram 28 pessoas, sendo que 27 eram militares. O primeiro-ministro turco responsabilizou as forças de autodefesa curdas sírias pelos atentados. O líder do Partido da União Democrática curdo (PYD), Saleh Muslim, por sua vez, negou as acusações.

    “Eu novamente faço um alerta à Rússia, que nos últimos tempos fornece apoio aéreo às forças de autodefesa curdas em Azaz e expõe as pessoas inocentes ao bombardeamento intensivo, usando uma organização terrorista contra civis e a Turquia”, disse o chefe de governo turco. 

    “Na véspera a Rússia condenou este ataque. Este é um bom sinal, mas apenas a condenação não é suficiente. Eles devem saber que aqueles que pretendem utilizar o terror contra a Turquia são como um bumerangue que vão se voltar contra você", continuou Davutoglu. 

    Por outro lado, o representante da aliança dos grupos armados “Forças Democráticas da Síria”, Talal Salah, havia se manifestado anteriormente declarando que “quando nós começamos a atacar as posições do Estado Islâmico e os turcos começaram a nos atacar, tornou-se muito claro pra todos quem Ancara apoia”. 

    Um dos líderes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Murat Karaylan, também afirmou em entrevista à agência Ria Novosti, que os curdos possuem provas documentais de que a Turquia apoia o Estado Islâmico, a Dzhebhat al-Nusra, e outros grupos terroristas. 

    ​Já o líder do Partido da União Democrática curdo (PYD) da Síria, Salih Muslim, negou a participação de sua organização no atentado da última quarta-feira na capital da Turquia, Ancara, e acusou o grupo terrorista Daesh (Estados Islâmico) de realizar o ataque.

    “É absolutamente falso, não há nenhum vínculo entre os curdos e o que ocorreu em Ancara”, garantiu o líder curdo, acrescentando que o atentado está ligado com a luta do país contra o Estado Islâmico, “cujos membros vivem na Turquia”.  

    Ancara afirma estar realizando uma operação contra o terrorismo nas regiões do sudeste sírio, habitadas principalmente por curdos. Enquanto isso, a campanha militar turca contra o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK na sigla em curdo) já foi várias vezes condenada como uma guerra civil e até mesmo um massacre.

    O Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP na sigla em turco) fundado por Erdogan e que está atualmente no poder na Turquia, obteve uma grande vitória nas eleições parlamentares em novembro. Mas essa política pode vir a ter um efeito bumerangue, porque muitos vêm a operação contra os militantes do PKK como uma "guerra contra os curdos”.  

    Após mais de dois anos de cessar-fogo, as hostilidades entre as forças militares e policiais turcas e do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) foram retomadas no verão passado, comprometendo as conversações de paz iniciadas em 2012 para pôr fim a um conflito que desde 1984 já deixou mais de 40 mil mortos.

    As autoridades turcas acreditam que o Partido de União Democrática (PYD) é afiliado do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerado oficialmente como uma organização terrorista na Turquia, apesar dos curdos sírios estarem envolvidos em batalhas severas com o Daesh (Estado Islâmico).

    Mais:

    Explosão atinge local perto de comboio militar na Turquia
    Forte explosão atinge capital da Turquia; governo diz que foi atentado terrorista
    Por que razão Rússia antes estava calada sobre laços entre Turquia e Daesh?
    França diz querer mais cooperação com Turquia para derrotar o Daesh
    Tags:
    terrorismo, explosão, Estado Islâmico, Daesh, Partido da União Democrática (PYD), Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Recep Tayyip Erdogan, Ancara, Turquia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar