09:49 05 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    47911
    Nos siga no

    A coalizão internacional liderada por Washington não é responsável pelo ataque que destruiu o hospital filiado à Médicos Sem Fronteiras em Idlib, na Síria. E só uma investigação detalhada poderá revelar o verdadeiro culpado pelo bombardeio, segundo afirmou o porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Peter Cook, nesta terça-feira.

    Na manhã da última segunda-feira, a organização humanitária internacional informou que um hospital localizado na cidade de Maaret al-Nuuman havia sido atingido por quatro foguetes de origem desconhecida, matando ao menos sete pessoas e deixando outras desaparecidas. Apesar da falta de pistas, o primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, não demorou para acusar a Rússia pela tragédia, enquanto o embaixador sírio em Moscou, Riad Haddad, responsabilizou os Estados Unidos.

    "O que eu posso dizer é que os aviões da coalizão norte-americana não estavam voando naquela região. Então, posso dizer a vocês, do nosso ponto de vista, que nós não estamos envolvidos e que eu não vou, neste momento, sugerir quem pode ser o responsável. Mas não foram aviões dos EUA ou da coalizão", afirmou Cook em coletiva de imprensa. 

    Segundo o funcionário do Pentágono, é necessário realizar uma avaliação cuidadosa no local para descobrir os culpados. 

    "Eu sei que há muitas perguntas sobre as atividades russas na região, mas não posso afirmar com especificidade quem é diretamente responsável". 

    Mais:

    Rússia desmente alegações de ataque de míssil balístico contra hospital dos MSF
    'Hospital na Síria foi bombardeado por avião da coalizão liderada pelos EUA'
    Ataque com quatro mísseis destrói hospital no norte da Síria
    Tags:
    bombardeio, ataque, hospital, Médicos Sem fronteiras, MSF, Ahmet Davutoglu, Riad Haddad, Peter Cook, Maaret al-Nuuman, Washington, Moscou, Idlib, Síria, Turquia, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar