15:02 20 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Zika Vírus: Alerta global (77)
    052
    Nos siga no

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) está considerando utilizar o sistema russo para diagnosticar o vírus Zika para monitorar a saúde dos atletas nas Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro. A informação é da vice-primeira-ministra russa, Olga Golodets.

    “Está sendo discutido agora mesmo. Nossos especialistsas estão trabalhando ativamente com os especialistas da OMS, trata-se de um trabalho conjunto. Nós estamos prontos para trabalhar junto com os nossos colegas, é muito importante que para nós garantir a nossa segurança”, disse Golodets a repórteres, comentando a possibilidade de aplicar os métodos russos de diagnóstico.

    No último sábado, a presidente Dilma Rousseff disse que o grande número de casos de zika no país não compromete a realização dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, marcados para agosto, acrescentando que o Rio de Janeiro se tornou prioridade no combate ao mosquito por causa da realização dos Jogos Rio 2016.

    No começo de fevereiro, a Organização Mundial da Saúde levantou a suspeita de que o recente aumento de casos de microcefalia em recém-nascidos no Brasil tem relação com o vírus Zika, o que fez a organização declarar emergência internacional. No entanto, a relação entre os casos de microcefalia e o vírus Zika ainda não foi comprovada cientificamente.

    Tema:
    Zika Vírus: Alerta global (77)

    Mais:

    Zika ou pyriproxifen: Cientista diz que não se pode descartar hipóteses sobre microcefalia
    Dilma: zika não compromete Jogos Olímpicos no Rio
    OMS: ensaios para vacinas do Zika estarão prontos em pelo menos 18 meses
    Brasil abre várias frentes na guerra contra o zika vírus
    Brasil fecha acordo com Universidade do Texas para desenvolver vacina contra o zika
    Cruz Vermelha Brasileira vai iniciar campanha nacional contra zika vírus
    Tags:
    Rússia, Brasil, Rio de Janeiro, Olga Golodets, OMS, Olimpíadas, zika
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar