09:15 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    John Kerry, Secretário de Estado norte-americano, e Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores russo, durante a conferência de imprensa em Kremlin, Moscou, 15 de dezembro de 2016

    Lavrov: EUA estão dispostos a obrigar Rússia a combater em duas frentes

    © AFP 2017/ SERGEI KARPUKHIN / POOL
    Mundo
    URL curta
    Dia do Diplomata na Rússia (8)
    817371815

    Em entrevista ao jornal russo Moskovsky Komsomolets, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, disse que os EUA não são interessados em resolver a crise ucraniana.

    “Não sou apoiante de teorias de conspiração, mas há fatos que provam esta teoria de que alguém em Washington está disposto <…> a obrigar a Rússia a combater em duas frentes. Para que as tensões na Ucrânia, em Donbass, não se diminuam, para que novas fases agudas da crise comecem o tempo todo, para que nós deixemos arrastar por esta crise muito mais que na época do cessar-fogo e para que não tenhamos vida fácil na Síria”, afirmou o chanceler russo.

    Lavrov disse que a Rússia não sofre de paranoia, mas entende muito bem que grandes países como os EUA não querem que apareçam concorrentes. Por isso a sua mentalidade irá sempre refletir sobre as suas relações conosco, com a China, Índia e outras economias emergentes.

    “Queremos que os nossos interesses sejam assegurados nesta competição no palco internacional e queremos fazer isso partindo de regras, de forma honesta. Quando as regras são revidas todo o tempo <…> isso é desonesto. Infelizmente, Washington já muitas vezes fez tais coisas…”, disse o diplomata russo.

    Além disso, o chefe da diplomacia russa afirmou que a Rússia não pode desistir de seus interesses mesmo em tempo difícil para a sua economia.

    “Tal país como a Rússia não pode ‘virar como um cata-vento’ em dependência de que querem as ‘grandes potências do mundo’ que pensam que decidem o destino de todos os países e pessoas no planeta”, sublinhou Lavrov.

    O chanceler russo afirmou que a economia russa não se tornou um refém da política externa do país, mas a Rússia não pode esquecer sobre o povo da Crimeia.

    Tema:
    Dia do Diplomata na Rússia (8)
    Tags:
    potência, interesses, política, EUA, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik