14:07 19 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Homens vestindo uniforme militar com distintivos do Setor de Direita

    Lugansk: Militantes do Setor de Direita entram em combate com soldados ucranianos

    © Sputnik / Aleksei Vovk
    Mundo
    URL curta
    17282

    A inteligência da autoproclamada da República Popular de Lugansk informou sobre um confronto militar entre soldados das Forças Armadas da Ucrânia e organização nacionalista Setor de Direita, proibida na Rússia.

    Esta informação foi divulgada pelo vice-chefe do Estado-Maior da Milícia da República, Igor Yaschenko.

    “Assim, segundo os dados da nossa inteligência, na área da povoação Rassvet, em 6 de Fevereiro, teve lugar um confronto entre unidades do Setor de Direita e as Forças Armadas da Ucrânia”, declarou.

    Segundo Yaschenko, este não é o primeiro caso de tais confrontos. 

    “Este incidente confirma mais uma vez que o Setor de Direita visa romper as relações com Kiev e derrubar as autoridades atuais”, pressupôs Yaschenko.

    Em abril de 2014, Kiev iniciou uma operação militar nas províncias de Donetsk e Lugansk para apagar os focos de insatisfação com a mudança violenta de poder no país, ocorrida em fevereiro do mesmo ano.

    As hostilidades deixaram mais de nove mil mortos e 20.700 feridos, segundo números da ONU.

    Atualmente, está em vigor na região um cessar-fogo acordado pelo Grupo de Contato Trilateral (Rússia, Ucrânia e OSCE) com o objetivo de solucionar a crise, mas os dois lados do conflito denunciam violações regularmente.

    O Setor de Direita é um movimento que reúne uma série de organizações radicais nacionalistas na Ucrânia. Em janeiro e fevereiro de 2014, membros do grupo participaram dos confrontos com a polícia, bem como da invasão de diversos prédios administrativos do país, e desde abril do ano passado, promovem a repressão de rebelião independentista no Sudeste ucraniano.

    Tags:
    confrontos, exército, Setor de Direita, Igor Yaschenko, Lugansk, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik