02:53 16 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Protesto perante o edifício do parlamento da Moldávia, Chisinau, 21 de janeiro de 2016

    A Moldávia segue o exemplo da Ucrânia?

    © Sputnik / Stringer
    Mundo
    URL curta
    27034
    Nos siga no

    A Moldávia está limitando a entrada de jornalistas estrangeiros entrar no país. Somente durante a semana passada foram deportados mais de dez representantes da mídia russa. Acima de tudo, as autoridades não explicam as razões de tal decisão.

    A lógica deste comportamento é bastante clara: em 20 de janeiro eclodiram de novo confrontos logo após o candidato do Partido Democrata, Pavel Filip, ter sido nomeado primeiro-ministro. Em resultado, dezenas das pessoas dicaram feridas. 

    Proibindo a mídia de entrar no país, Chisinau tenta controlar a forma como a informação chega ao público, só permitindo a versão oficial. 

    É de lembrar que em 21 de janeiro, representantes de três canais televisivos foram proibidos de entrar na Moldávia. O jornalista da Companhia Estatal russa de Televisão e Rádio, Aleksandr Balitsky, foi impedido de entrar no país durante cinco anos. E ele não é o único caso. 

    A RIA Novosti, cujo jornalista também não conseguiu sair do aeroporto de Chisinau, citou as palavras dos guarda-fronteiras russos que falaram com os jornalistas quando estes retornaram a Moscou. 

    “Só hoje já é o segundo caso”, disse um dos funcionários.

    Outro guarda-fronteiras lembrou-se que tal situação já aconteceu no ano passado, mas que o país “fechado” para a mídia russa nessa altura era a Ucrânia.

    “Naquela altura deportavam da Ucrânia ‘em massa’, não tínhamos tempo para falar com todos. Agora – é da Moldávia”, notou ele.

    O fato mais interessante é que não são somente os jornalistas russos que a Moldávia não deixa entrar. Assim, na sexta-feira (22) as autoridades deportaram um jornalista da agência France Presse e um de uma rádio tcheca. De acordo com a RIA Novosti, este último pediu para contatar a embaixada tcheca, mas foi-lhe recusado. 

    Moscou já respondeu às proibições. A representante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova, chamou-as de “violação do direito internacional”:

    “Notamos com grande pesar que tais ações das autoridades em alguns países da Europa de Leste se tornam terrivelmente regulares”.

    O porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, também notou a analogia da situação com a Ucrânia:

    “Todos nós fomos testemunhas de precedentes nesta esfera na Ucrânia vizinha. Com certeza, não desejaríamos, digamos, o desenvolvimento futuro na mesma trajetória”. 

    A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) também se mostrou inquietada para com as proibições de entrada dos jornalistas russos. 

    “Apelo às autoridades moldavas para reverem a prática de medidas restritivas e seletivas em relação aos jornalistas de várias mídias russas, que foram proibidos de entrar no país, e deixarem todos os jornalistas fazerem a sua atividade profissional sem objeções”, cita a RIA Novosti as palavras de Dunja Mijatović, representante da OSCE para a liberdade da mídia.

    Mais:

    Biden: Turquia não é exemplo de liberdade de expressão
    Estônia recusa entrada a jornalista da Rossiya Segodnya
    Jornalistas russos são atacados em Bruxelas
    Tags:
    jornalista, mídia, liberdade de imprensa, Dmitry Peskov, Maria Zakharova, Moldávia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar