20:14 23 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Soldados israelenses monitoram a fronteira Israel–Síria.

    Especialista explica por que Irã ganhou e Israel perdeu

    © AP Photo/ Ariel Schalit
    Mundo
    URL curta
    Irã fica sem sanções (28)
    834268255

    O ministro da Defesa de Israel, Moshe Yaalon, manifestou insatisfação com o acordo nuclear iraniano, chamando Teerã do “maior inimigo israelense”.

    “Para nós o Irã é o inimigo principal e, ouvindo outras opiniões sobre o assunto, posso somente sublinhar que, se escolhesse entre o Irã e o Daesh, escolheria o Daesh”.

    O redator-chefe da revista Iran Press, Emad Abshenass, explicou por que razão, segundo ele, as organizações do tipo do Daesh são úteis para Israel:

    “Durante as últimas duas ou três décadas, Israel assumiu tais posições que, para a existência, estabilidade e segurança do seu próprio Estado, é benéfico que nos países-vizinhos da região haja caos, conflitos e guerras civis”. 

    Depois Abshenass indicou exemplos que provam as suas palavras:

    “Na sequência de investigações, foi confirmado que os terroristas que lutam na Síria eram hospitalizados e reabilitados em Israel e, depois disso, voltavam ao combate para continuar a luta contra o presidente Bashar Assad”. 

    Segundo o especialista, no caso de derrota dos grupos militantes “o exército da Síria poderá tornar-se forte de novo e capaz de dar um golpe de resposta contra Israel” o que claramente contradiz os interesses israelenses.

    Além disso, Abshenass opina que, nos últimos anos, Israel espalha propaganda contra o Irã para pressionar os EUA e alguns países da Europa a fornecerem quase de graça novas armas que, segundo Israel, são necessárias para a sua autodefesa, assim como enormes meios para outras necessidades militares. 

    “Nas atuais condições, quando a política de iranofobia sofreu um fiasco, Israel já não pode obter as preferências às quais antes tinha acesso”, concluiu.

    Ao mesmo tempo, após a assinatura do acordo nuclear iraniano, a atitude do Ocidente em relação ao Irã mudou em muitos aspetos, explica Emad Abshenass. Assim, diz ele, o ministro do Exterior alemão Frank-Walter Steinmeier sublinhou o papel do Irã nos esforços de criação de segurança no turbulento Oriente Médio. 

    “Hoje reparamos que a perceção do Irã pelo Ocidente está mudando em muitos aspetos. O Ocidente na sua política já atua de maneira mais lógica e racional em relação ao Irã. Mas ainda é cedo para dizer que o Ocidente está pronto a chamar o Irã de seu aliado. Entretanto, o nível de confiança por parte do Ocidente cresceu bastante”.

    Tema:
    Irã fica sem sanções (28)
    Tags:
    acordo nuclear, terrorismo, Daesh, Moshe Ya'alon, Frank-Walter Steinmeier, Irã, Síria, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik