01:46 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Petróleo

    Irã corta preços para petróleo na Europa e Mediterrâneo

    © AP Photo / Hasan Jamali
    Mundo
    URL curta
    Irã fica sem sanções (28)
    2121
    Nos siga no

    O Irã afirmou hoje que irá cortar os preços do petróleo bruto destinados à Europa em fevereiro. A medida vem em linha com um anúncio similar feito pela Arábia Saudita no início do mês, e assinala um interesse iraniano em competir com seu maior rival na região sem, no entanto, proporciona descontos ainda maiores.

    Em um catálogo de preços publicado em seu site há poucos dias, a National Iranian Oil Co (NIOC) afirmou que irá reduzir seus preços oficiais para o noroeste da Europa em US$ 0,55 por barril e em US$0,15 por barril para a região do Mediterrâneo. Por outro lado, o preço do barril com destino à Ásia subiu em US$ 0,60 por barril.

    No início de janeiro, a estatal saudita Saudi Aramco anunciou uma redução de US$ 0,60 por barril no preço da commodity vendida ao Noroeste europeu e de US$ 0,20 por barril para a região do Mediterrâneo. Para a Ásia, o preço do barril também subiu em US$ 0,60 por barril.

    O fim das sanções ao petróleo iraniano alimentou especulações sobre a possibilidade de Teerã alimentar uma guerra de preços contra seus concorrentes. Autoridades do país xiita, no entanto, disseram que preferem trocar petróleo por outros bens ou por acordos de investimento nas refinarias do país ao invés de vender a commodity a preços menores.

    Os preços da NIOC e da Aramco são definidos todos os meses e podem ser maiores ou menores do que os preços de referência regional, dependendo da demanda, oferta e outros fatores considerados pelo mercado, informou Dow Jones Newswires.

    Tema:
    Irã fica sem sanções (28)

    Mais:

    Irã acabará por derrubar mercado mundial de petróleo?
    Como vai ficar o mercado de petróleo após levantamento das sanções contra o Irã?
    Tags:
    petróleo, Saudi Aramco, NIOC, Arábia Saudita, Mediterrâneo, Europa, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar