21:00 22 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Três sobreviventes se dão um abraço fora da sala de concertos Bataclan, onde tinha acontecido um ataque com fuzil automático

    Sobreviventes dos atentados de Paris tentam retribuir o 'herói esquecido do Bataclan'

    © REUTERS / Christian Hartmann
    Mundo
    URL curta
    Capital francesa sofre pior atentado da história (68)
    0 01

    Passados pouco mais de dois meses desde a série de atentados terroristas que abalaram Paris em 13 de novembro de 2015, sobreviventes e envolvidos na tragédia continuam lutando para que atos de coragem e bravura daquela noite não sejam esquecidos e recebam uma devida homenagem por parte da sociedade e das autoridades da França.

    Essa é a história de Didi, argelino de 35 anos que no momento dos ataques trabalhava como vigia no teatro Bataclan, local em que os terroristas fizeram uma enorme quantidade de reféns, assassinando à queima roupa mais de uma centena de vítimas.

    Didi foi responsável por avisar e conseguir evacuar através das saídas de emergência dezenas de pessoas que estavam dentro do teatro no momento da invasão. Considerado um "herói esquecido do Bataclan", a sua coragem pode ser devidamente recompensada através de uma petição de 30 mil assinaturas que pedem a sua naturalização na França.

    Entrevistado pela Sputnik, Didi contou que não fazia ideia da existência desta petição e que a mesma foi foi criada por uma organização social totalmente desconhecida a ele. Segundo ele, o documento foi assinado, entre outros, por pessoas e parentes de pessoas ajudadas ou salvas por ele naquele noite, e que que muitas delas o procuraram através das mídias, chegando a encontrá-lo pessoalmente para o agradecer pelos seus atos.

    Didi disse ainda que, inicialmente, a iniciativa havia sido criada somente como uma "petição para atribuição da Ordem da Legião de Honra", o pedido de naturalização vindo a ser incluído posteriormente neste documento.

    "De início eu nem entendi e fiquei muito impressionado, já que não havia pedido nada a ninguém. Além disso, para mim, a naturalização não é uma prioridade, já que tenho documentos oficiais" – disse.

    Comentando a sua atuação naquele trágica noite, Didi alertou ainda para o fato de que policiais e seguranças convencionais não dispõem de recursos, de armamentos necessários para combater terroristas determinados em levar a vida de um máximo número de pessoas, e que para combater um mal como este é sempre necessária a intervenção de militares ou batalhões de operações especiais.

    Outro tema abordado por Didi foi a iniciativa das autoridades franceses em destituir de cidadania francesa pessoas envolvidas com terrorismo e acusadas de extremismo.

    "Creio que tirar a cidadania de terroristas, como os que invadiram Bataclan, não levará a nada. Afinal, eles decidiram morrer. Mas, se a medida for previamente aplicada àqueles que estão ligados à rede terrorista, então ela faz sentido. Ao mesmo tempo, se essa medida se tornar "exclusiva", ela não deve se transformar em medida comum [posteriormente]" – disse Didi.

    "Essas pessoas não merecem a cidadania francesa. Por um simples motivo – elas não aceitam os valores fundamentais da França, não aceitam os valores republicanos" – concluiu o herói argelino.

    Os atentados terroristas em Paris, em 13 de novembro, resultaram na morte de 130 pessoas e em mais de 360 feridos. A responsabilidade pelo ataque foi assumida pelo grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico).

    O presidente francês, François Hollande, disse que o incidente representa um marco, a partir do qual a França, e a Europa toda, entraram "em guerra" contra o Daesh.

    Tema:
    Capital francesa sofre pior atentado da história (68)

    Mais:

    Terrorista de Paris carregava bandeira do Daesh
    Polícia mata homem com cinto de explosivos em tentativa de invasão a delegacia de Paris
    Avião com destino a Paris pousa por suspeita de bomba a bordo
    Tags:
    algerino, herói, homenagem, petição, atentado, terrorismo, França, Paris
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar