21:03 28 Março 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    623
    Nos siga no

    Cerca de 400 funcionários da empresa militar privada norte-americana Academi (anteriormente conhecida como Blackwater) estão atualmente lutando ao lado da coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen, disse o porta-voz do exército iemenita Brigadeiro-General Sharaf Ghalib Luqman, nesta terça-feira (19).

    "Eles contratam pessoas pobres de todo o mundo para tomar parte nas hostilidades. Entre eles estão os somalis e pessoas de tribos sudanesas. No entanto, há também europeus, americanos, colombianos. Estes são contratados a partir de uma estrutura conhecida como Blackwater. Esta divisão inclui cerca de 400 pessoas", disse Luqman à Sputnik.

    Sharaf Luqman representa os partidários do ex-presidente iemenita Ali Abdullah Saleh que lutam ao lado dos rebeldes xiitas – conhecidos como houthis – contra os partidários do internacionalmente reconhecido presidente Abd Rabbo Mansour Hadi, que, por sua vez, conta com o apoio da Arábia Saudita.

    A Blackwater ganhou notoriedade em 2007 depois que seus mercenários mataram a tiros 17 civis iraquianos desarmados e feriram gravemente 20 pessoas em Bagdá, durante uma operação de retirada de funcionários do governo norte-americano. O incidente ficou conhecido como o massacre da praça Nisour.

    Mais:

    Ataque saudita à Embaixada iraniana pode levar à escalada de guerra no Iêmen
    HRW: coalizão árabe lança bombas em bairros residenciais no Iêmen
    Arábia Saudita intercepta míssil lançado do Iêmen
    E se os xiitas da Arábia Saudita resolverem se separar e levar seu petróleo para o Irã?
    Tags:
    empresa militar privada, segurança privada, mercenários, houthis, intervenção, guerra, coalizão internacional, rebeldes, xiitas, sunitas, Massacre da Praça Nisour, Academi, Blackwater, Sharaf Ghalib Luqman, Ali Abdullah Saleh, Abed Rabbo Mansour Hadi, EUA, Arábia Saudita, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar