14:38 24 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    751
    Nos siga no

    O conflito entre Erdogan e acadêmicos turcos que se manifestaram contra a operação no Sudeste do país está ganhando impulso. O que podem esperar os professores que assinaram uma petição endereçada ao governo?

    O membro do grupo "Acadêmicos, pró-paz", professor e colunista da revista Cumhuriyet, Ahmet Insel, acredita que o que está acontecendo agora na Turquia claramente pode ser chamado de violência desenfreada e um ataque às liberdades democráticas. 

    “Eu acredito que o governo e o presidente, ao mostrar uma reação tão violenta contra a nossa publicação, deixaram demonstrar uma tática. As autoridades querem alcançar a mobilização extrema de nacionalistas, forças pró-governo para suprimir o sentimento de oposição na sociedade. A situação atual não vale a pena, em minha opinião, ser considerada apenas à luz do problema da liberdade acadêmica”, observou o professor.

    Segundo ele, “na verdade, trata-se de um problema de violação dos direitos fundamentais dos cidadãos e da liberdade de expressão no país. “Uma investigação judicial, tendo em vista a assinatura do manifesto e o tipo de reação correspondente, não possui nenhum fundamento legal e jurídico", observou o acadêmico. 

    O manifesto “Iniciativa de universitários pela paz”, que reivindica o fim da intervenção das forças de segurança contra os integrantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), no Sudeste do país, de maioria curda, foi assinado por quase 1.200 pessoas na última segunda-feira (11).  

    Em discurso na última quinta-feira (14), em Ancara, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que o grupo de universitários "colocou-se claramente no campo da organização terrorista e cuspiu o seu ódio sobre o povo turco”. Ele afirmou que “os supostos intelectuais são indivíduos sombrios que não têm qualquer respeito pela sua pátria”, acusando-os de traição.

    Na madrugada desta sexta-feira (15), 21 acadêmicos foram detidos, por determinação do Ministério Público, e colocados sob custódia policial em Kocaeli, no Noroeste da Turquia, acusados de “propaganda terrorista” e “insulto às instituições e à República turca”. 

    “Não é preciso colocar as críticas às ações do PKK e as ações das autoridades do país no mesmo lugar. Enquanto o PKK continuar se utilizando métodos terroristas de luta, será mantida como um grupo terrorista, esta disposição está contida no Código Penal da República da Turquia”, acrescenta Ahmet Insel. Segundo ele, como cidadão da República da Turquia, tem o direito de esperar e exigir que o Estado aja dentro das normas legais estabelecidas, os direitos e liberdades fundamentais previstos na Constituição.

    Caricatura de Vitaly Podvitski
    © Sputnik / Vitaly Podvitski
    Caricatura de Vitaly Podvitski
    Tags:
    terror, opinião, oposição, terrorismo, PKK, Recep Tayyip Erdogan, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar