22:55 22 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Cerimônia de assinatura do acordo do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura.

    Banco Asiático de Investimentos começa a operar em janeiro

    © REUTERS / Wang Zhao
    Mundo
    URL curta
    9191

    Pequim anunciou nesta sexta-feira (25) que o Banco Asiático de Investimentos (AIIB) estará em operação em meados de janeiro. A instituição já obteve o número de aprovações nacionais e o capital suficiente para o funcionamento.

    O acordo assinado por 57 países em junho prevê que, depois de confirmado por 10 membros e de constituir mais de 50% do capital previsto, o AIIB começaria a operar. Segundo o Ministério das Finanças chinês Mianmar, Singapura, Brunei, Austrália, China, Mongólia, Áustria, Reino Unido, Nova Zelândia, Luxemburgo, Coreia do Sul, a Geórgia, a Holanda, Alemanha, Noruega, Paquistão e Jordânia já ratificaram internamente a instituição.

    O presidente do banco, Jin Liqun, disse à TV chinesa que o objetivo inicial do AIIB é financiar projetos de energia, transporte e infraestrutura urbana na Ásia. Ele acrescentou que a instituição irá operar de maneira justa, aberta, eficiente e preocupada com o meio ambiente.

    “Haverá tolerância zero para a corrupção. Vamos tornar o banco enxuto, limpo e verde. Nossos projetos precisar ser financeira, ambiental e socialmente sustentáveis”, frisou o presidente do AIIB.

    A acordo que criou a instituição planeja um capital de US$ 100 bilhões. A China, maior doadora, tem 26% dos votos; a Índia, com 7,5%, é a segunda; e a Rússia a terceira, com 5,9%.

    Mais:

    Ex-vice-ministro de Finanças da China é indicado para presidir o AIIB
    Rússia adere ao AIIB para fomentar economia interna e mundial
    Alemanha diz que decisão de integrar AIIB não afeta relações com os EUA
    Lagarde: FMI e AIIB da China têm boas perspectivas de cooperação
    Tags:
    investimentos, capital, sustentáveis, projetos, meio ambiente, janeiro, operação, acordo, Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB), Jin Liqun, Coreia do Sul, Reino Unido, Holanda, Alemanha, Índia, Rússia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar