12:57 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Barack Obama, presidente dos EUA

    Obama: Daesh já perdeu 40% de seu território no Iraque

    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    1258

    O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta segunda-feira que o Daesh (também conhecido como Estado Islâmico), já perdeu uma parte considerável de seus territórios ocupados no Iraque e na Síria.

    "Perdeu cerca de 40% das áreas povoadas que havia controlado no Iraque", disse Obama à imprensa no Pentágono.

    Na Síria, completou Obama, o grupo terrorista já perdeu "centenas de quilômetros quadrados e vai perder mais."

    Obama advertiu que "de fato, desde o verão (no hemisfério norte) o Daesh não realizou nenhuma ofensiva de sucesso nem no Iraque nem na Síria."

    O Daesh se tornou uma das principais ameaças à segurança global e nos últimos três anos conquistou grandes partes dos territórios do Iraque a da Síria. O grupo vem tentando estender seu domínio ao norte da África, especialmente na Líbia.

    Em setembro de 2014, uma coalizão de 65 países liderada pelos EUA começou a realizar ataques aéreos contra posições do Daesh e da Frente Nusra na Síria e no Iraque. As operações acontecem sem autorização da ONU e sem coordenação com Damasco.

    No dia 30 de setembro, a Força Aérea russa começou a realizar ataques contra grupos terroristas na Síria a pedido do presidente do país, Bashar Assad.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)

    Mais:

    Barack Obama telefona para Dilma Rousseff para ajustar posições climáticas
    CNN chama Obama de presidente da Venezuela
    Obama e Cameron admitem que resolução política na Síria deve envolver Rússia e Irã
    Obama: tiroteio na Califórnia pode ter relação com terrorismo
    Tags:
    territórios ocupados, ataque aéreo, pronunciamento, terrorismo, Daesh, Casa Branca, Pentágono, Estado Islâmico, Bashar Assad, Barack Obama, Iraque, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar