16:28 21 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Combatente yazidi em Sinjar, norte do Iraque

    Rússia: Presença militar turca no Iraque é inaceitável

    © AP Photo/ Seivan Selim
    Mundo
    URL curta
    323575271

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou nesta terça-feira (8) em um comunicado que a presença militar turca em território iraquiano é inaceitável.

    “Uma fonte adicional e muito grave de tensão é a presença ilegal das forças turcas no território do Iraque, perto da cidade de Mosul, que chegou lá sem a solicitação ou aprovação do governo iraquiano legítimo. Nós consideramos essa presença inaceitável”, destacou o ministério.

    Na sexta-feira (4), militares turcos começaram a chegar à região de Bashiqa, norte do Iraque, localizado perto de Mosul, atualmente controlada pelo Daesh (também conhecido como Estado Islâmico, grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países). Ancara, que enviou aproximadamente 1.000 homens, disse ser um ato de rotina para treinar os iraquianos para retomar a cidade.

    O chefe da comissão parlamentar de segurança e defesa do Iraque, Hakim al-Zamili, em entrevista à Al-Araby Al-Jadeed, disse no domingo (6) que Bagdá pode recorrer à ajuda de Moscou depois que a Turquia alegadamente violou a soberania do Iraque.

    O premiê iraquiano, Haider Abadi, deu à Turquia, na segunda-feira (7), 24 horas para retirar suas tropas do Iraque para evitar que o assunto fosse analisado pelo Conselho de Segurança da ONU. Ancara se recusou a fazê-lo.

    As Forças de Mobilização Popular do Iraque, por sua vez, se comprometeram a tomar as medidas adequadas contra as forças turcas se Ancara não retirar suas tropas do país dentro do prazo estabelecido pelo governo iraquiano.

    Tags:
    soberania, militar, presença, inaceitável, invasão, Estado Islâmico, Daesh, Forças de Mobilização Popular, Conselho de Segurança da ONU, Nações Unidas, ONU, Hakim al-Zamili, Haider Abadi, Mosul, Bashiqa, Ancara, Turquia, Bagdá, Moscou, Rússia, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik