21:32 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Queda do A321 russo no Egito (60)
    1182
    Nos siga no

    Os serviços secretos russos anunciaram um prêmio de 50 milhões de dólares a quem prestar informações sobre os envolvidos no ato terrorista contra o avião Airbus A321 russo.

    “O Serviço Federal de Segurança apela à comunidade russa e internacional a cooperar para encontrar os terroristas. Será paga uma recompensa de 50 milhões de dólares americanos pelo fornecimento de informações que contribuam para a detenção dos criminosos”, disse o Centro das Relações Públicas do Serviço Federal de Segurança (FSB, na sigla em russo) nesta terça-feira (17).

    Lembramos que nesta terça-feira (17) as autoridades russas reconheceram oficialmente o acidente do Airbus A321 russo sobre a península do Sinai como ato terrorista.  Segundo o chefe do FSB, Aleksandr Bortnikov, a bordo do A321 detonou um engenho explosivo de fabricação caseira com uma potência de 1kg de TNT.

    O Serviço informou que irá tomar todas as medidas para encontrar os culpados pelo acidente da aeronave:

    “O Serviço Federal de Segurança e os órgãos de segurança da Federação da Rússia implantaram medidas para a busca dos indivíduos envolvidos neste crime”.

    Em 31 de outubro, sábado, um Airbus A321, pertencente à empresa russa Kogalymavia, saiu do aeroporto da cidade balneária de Sharm el-Sheikh, no Egito, rumo ao aeroporto de Pulkovo, em São Petersburgo (Rússia). Atravessando o céu sobre a península do Sinai, desapareceu dos radares e cessou de responder aos controladores de voo. Em seguida, se confirmou a queda do avião em um lugar da península. A aeronave ficou despedaçada no chão.

    Todos os 217 passageiros e 7 membros da tripulação morreram.

    Acidente do Airbus A321-200 da Kogalymavia no Egito
    © Sputnik
    Acidente do Airbus A321-200 da Kogalymavia no Egito

    Tema:
    Queda do A321 russo no Egito (60)
    Tags:
    investigação, terrorismo, Serviço Federal de Segurança (FSB), Rússia, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar