05:43 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Logo do Facebook nos ecrãs do telemóvel e computador

    Não está feliz? Se calhar o problema é o Facebook

    © AFP 2017/ KAREN BLEIER
    Mundo
    URL curta
    7790131

    Cientistas do Instituto de Estudos de Felicidade em Copenhague avisam que o uso do Facebook faz com que as pessoas se tornem infelizes.

    Os pesquisadores observavam dois grupos de usuários de redes sociais. O primeiro inclui pessoas que usaram e continuam usando o Facebook e o segundo abrange pessoas que pararam de usar o Facebook por uma semana. Antes da pesquisa, 94% dos respondentes visitavam o Facebok de maneira quotidiana.

    De acordo com os resultados da pesquisa publicados no jornal The Local, o grupo que parou de usar o Facebook mostrou índices mais altos de satisfação com a sua vida em uma escala de 10 pontos. Enquanto o seu nível de felicidade habitual era de 7,56, depois de deixarem de visitar o Facebook cresceu para 8,12.

    O outro grupo que não mudou os seus hábitos mostrou um aumento marginal nos seus índices de felicidade de 7,67 para 7,75.

    O diretor do Instituto de Estudos de Felicidade, Mike Wiking, opina que os resultados mostram que as pessoas se tornam menos felizes por causa da tendência de se comparar a si próprios com outras pessoas ao examinar as suas páginas no Facebook.

    “O Facebook deforma a nossa percepção da realidade e do que são as vidas das outras pessoas. Criamos uma imagem de nosso sucesso ou insucesso comparando-nos com todos os outros. Como as pessoas publicam somente coisas positivas no Facebook, isso dá-nos uma percepção muito preconcebida da realidade”, disse Wiking.

    Ele afirma que as pessoas que avaliam a sua vida tendo em conta as informações do Facebook correm o risco de se tornar menos satisfeitos com a sua vida.

    “Se estamos constantemente expostos às boas notícias, arriscamos avaliar a nossa vida como menos boa”.

    Selfie no smartphone
    © AFP 2017/ JUSTIN TALLIS / AFP
    Entre o grupo de 1.095 dinamarqueses que participaram do experimento, as pessoas que não usaram a rede social eram mais decididas, entusiásticas e menos preocupadas, comparando com as que continuaram a usá-la.

    Assim, as pessoas que pararam de consultar o Facebook por uma semana eram 0,56 vezes mais felizes que as que não fizeram isso.

    Todavia, é pouco provável que resultados tão marginais possam evitar a tentação de visitar a sua página, responder às mensagens ou buscar algo para melhorar a disposição.

    Tags:
    pesquisa, Facebook, Dinamarca
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik