03:50 24 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Secretário de Defesa dos EUA Ashton Carter prometeu enviar mais tropas americanas para a Síria

    Pentágono pode enviar mais tropas à Síria

    © AFP 2017/ POOL/CAROLYN KASTER
    Mundo
    URL curta
    81570313

    Secretário de Defesa dos EUA Ashton Carter prometeu enviar mais tropas americanas para a Síria "se os EUA conseguirem encontrar mais forças competentes locais para criar uma parceria na luta contra o Estado Islâmico".

    Seus comentários para a ABC News chegaram poucos dias depois de o presidente Barack Obama ter autorizado o envio de um pequeno contingente para a Síria.

    "Se encontrarmos grupos adicionais que estejam dispostos a lutar contra o EI e sejam capazes e motivados, nós vamos enviar mais. O presidente mostrou vontade de fazer mais, eu certamente estou preparado a recomendar-lhe fazer mais, mas precisa ter as forças locais capazes de combater. Essa é a chave para a vitória", disse Carter durante uma entrevista a bordo do navio USS Theodore Roosevelt no Mar da China do Sul.

    Em 30 de Outubro, o presidente Obama autorizou o envio de 50 militares para o norte da Síria "para aconselhar e assistir" na luta contra o EI.

    Duas pequenas equipes dos EUA foram enviadas supostamente para avaliar a situação de segurança no terreno e coordenar com as forças sírias locais.

    "Eles estão ajudando as forças locais, que são uma mistura de curdos e sírios árabes que querem combater o EI. Portanto, este pequeno grupo, mas de elite, destina-se a mobilizar as forças locais, na área de inteligência, poder aéreo e assim por diante, para ajudar essas forças locais, disse Carter à ABC News. "E este é um exemplo de toda a estratégia. Temos que vencer o EI. O coração do EI está na Síria e no Iraque".

    O canal de notícias no entanto admite que "as circunstâncias podem forçar os soldados americanos participar de situações de combate."

    Ele lembrou que o primeiro sargento Joshua L. Wheeler foi morto durante uma operação militar no Iraque no mês passado.

    O chefe da Defesa dos Estados Unidos reconheceu a possibilidade de poder haver outros incidentes.

    "A missão [de Wheeler] não era realizar o assalto; a sua missão era apoiar o ataque. Mas quando viu que o assalto tinha problemas sérios, ele entrou em combate. Isso não era uma parte da sua missão. Mas foi um reflexo do enorme heroísmo pessoal", disse Carter. "Nós estamos enviando-os para uma situação perigosa que pode evoluir para uma situação de combate como aconteceu com Joshua Wheeler".

    No entanto, as autoridades norte-americanas anteriormente tinham enfatizado que a presença dos EUA continuaria a ser limitada e não precisa de tropas em larga escala como aconteceu nas operações passadas dos EUA no Iraque e no Afeganistão.

    Mais:

    Secretário de Defesa dos EUA: Rússia ameaça a ordem global
    As guerras em que EUA não deveriam ter se metido
    Pentágono: EUA não querem considerar a Rússia como país inimigo
    Militantes explodem parte de Cidadela protegida pela UNESCO em Aleppo, na Síria
    Sucesso na Síria, caças russos continuam sendo aperfeiçoados
    Tags:
    tropas, terrorismo, Estado Islâmico, Ashton Carter, Barack Obama, Iraque, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik