06:19 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Destroços do Boeing-777 em Donetsk, no leste da Ucrânia

    Embaixador: Moscou conseguiu explicar sua posição sobre MH17

    © Sputnik/ Andrei Stenin
    Mundo
    URL curta
    261

    Diplomatas russos conseguiram o entendimento das autoridades malaias em relação à posição da Rússia sobre a catástrofe do Boeing da companhia aérea malaia na Ucrânia e investigação da tragédia, disse o embaixador russo Valery Yermolov na Malásia à agência de notícias russa RIA Novosti.

    Valery Yermolov afirmou que a Rússia conseguiu alterar a disposição negativa da Malásia e tendências de acusar a Rússia e os assim chamados separatistas do Leste da Ucrânia. 

    “A embaixada superou a pressão dos jornalistas estrangeiros e locais também, explicou a nossa posição à opinião pública e mídia e, naturalmente, às autoridades oficiais, usou os materiais que foram dados pelo centro, ou seja, materiais do nosso Ministério da Defesa”.

    Quanto à posição malaia para com a investigação da catástrofe do Boeing, consiste em “não apontar o dedo a ninguém” até os resultados finais serem recebidos. 

    O embaixador disse que a Rússia fez todo o possível para assegurar o acesso à informação ligada à catástrofe à Malásia. Durante as visitas dos oficiais malaios a Moscou lhes explicaram a nossa posição e os dados de que nós dispúnhamos lhes foram transmitidos. 

    O diplomata russo notou que a Malásia foi usada como “empurrador” da iniciativa de criar um tribunal internacional para investigar a tragédia.

    É de lembrar que no dia 15 de julho a Malásia introduziu no Conselho de Segurança da ONU um projeto de resolução sobre a criação de um tribunal internacional de investigação do acidente do voo MH17. A Rússia vetou esta resolução no dia 29 de julho no Conselho de Segurança da ONU sublinhando que o documento é contraproducente e extemporâneo uma vez que a investigação que está sendo realizada por especialistas holandeses ainda não está completa.

    Segundo Valery Yermolov, a Malásia pode escolher outra jurisdição para o processo tribunal. Em particular, o ministro de Transporte malaio elabora o seu projeto do acordo entre os membros da equipe de investigação conjunta que consiste em representantes da polícia e do Ministério Público belgo, australiano, malaio, EU e Ucrânia. 

    Além disso, embaixador explicou porque a Malásia não coopera com a Rússia na investigação da tragédia:

    “Por um lado os malaios [a cooperação] se mostraram interessados, por outro – disseram que como estão atados por compromissos perante outros membros da equipe de investigação conjunta, eles vão [à Rússia] com eles juntos ou não vão. Como nós sabemos os outros membros da equipe de investigação se recusaram”.

    No entanto, o diplomata destacou que a Rússia está disposta a cooperar com todos os que mostram a vontade:

    “Se eles têm a vontade de cooperar conosco, estamos sempre dispostos. Nós propusemos à parte malaia e continuamos propondo também a todas as partes interessadas que participam da investigação: a nossa colaboração, talvez, a assistência direta na investigação”.

    Em 17 de julho de 2014, um avião da Malaysia Airlines que fazia o voo MH17 entre Amsterdã e Kuala Lumpur foi abatido no sudeste da Ucrânia, na região de Donbass. Todas as 298 pessoas a bordo da aeronave morreram no acidente. As forças de Kiev e os independentistas da região têm se culpado mutuamente pela tragédia.

    Mais:

    Opinião: relatório sobre MH17 deixa espaço à imaginação
    Assista AO VIVO à apresentação da versão holandesa da queda do MH17 no leste da Ucrânia
    Tags:
    acidente aéreo, MH17, investigação, Conselho de Segurança da ONU, Malásia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik