14:52 24 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    106
    Nos siga no

    A comunidade internacional está cada vez mais preocupada com a escalada da situação em Israel e na Palestina. No fim de semana, responsáveis europeus tentaram acalmar as partes, os líderes israelense e palestino também aspiram a restabelecer a paz, mas a violência continua.

    No domingo (11) presidente francês François Hollande afirmou que o conflito entre a Palestina e Israel atingiu um ponto crítico. O presidente considera que terceiras forças políticas têm de intervir nas relações hostis entre os dois países. Além disso, Hollande pretende criar uma frente política para encontrar uma solução para os confrontos, que já levaram à morte de pessoas.

    Além disso, a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, teve conversas telefônicas separadas no domingo (11) sobre a escalada na violência em Israel e Palestina com os líderes Mahmoud Abbas e Benjamin Netanyahu. 

    Durante as conversações Mogherini disse que as partes precisam primeiramente de coordenar os passos para melhorar a situação no local e fazer com que as partes voltassem ao caminho das negociações sobre o status final. 

    "[Eu] falei agora com o primeiro-ministro Netanyahu e o presidente Abbas sobre a escalada da violência. É preciso parar os atos de terror e evitar as reações desproporcionadas", disse Mogherini no seu Twitter, um dia antes de uma reunião de 28 ministros dos Negócios Estrangeiros da UE no Luxemburgo.

    Embora Netanyahu e Abbas tenham procurado evitar uma escalada, jovens palestinos frustrados têm desafiado os esforços para restaurar a calma nos últimos dias, levando a temores de uma nova intifada [rebelião popular palestina contra Israel], que será seguida por uma severa repressão de Israel.

    “O presidente Abbas assegurou a alta representante que ele tem a disposição decisiva de manter a situação sob o seu controlo. O primeiro-ministro Netanyahu reiterou à alta representante o seu compromisso a manter o status quo dos lugares sagrados”, se diz no comunicado.  

    Ambos os líderes também mostraram o desejo de continuar os trabalhos no espírito dos acordos atingidos no último encontro do Quarteto do Oriente Médio em Nova York.

    O Quarteto do Oriente Médio é composto pela ONU, UE, Rússia e EUA.

    No entanto, as declarações pacificadoras não têm surtido efeito. 

    Hoje (12) uma mulher atacou com uma faca um policial israelense perto da sede da força em Jerusalém e foi abatida a tiro pelo policial, segundo as autoridades. 

    No mesmo dia aconteceu mais um ataque. No centro da cidade, polícias abateram a tiro um homem que atacou com uma faca um guarda de fronteira, de acordo com as forças de segurança.

    As autoridades israelenses classificam estes ataques quotidianos como atos de terrorismo. 

    Segundo o porta-voz do exército israelense, Peter Lerner, o polícia não foi ferido gravemente porque estava protegido com um colete à prova de balas.

    Mais do que isso, as autoridades comunicaram sobre um terceiro ataque neste dia. 

    Dois terroristas esfaquearam dois israelenses na povoação de Pisgat Zeev na zona oriental de Jerusalém. Um dos atacantes foi morto e o outro ficou ferido. 

    Este é o 18º ataque contra israelenses desde 3 de outubro.

    Mais:

    Palestina e Israel: nova onda do terror mútuo
    EUA: violência em Jerusalém é terrorismo
    Israel interdita Esplanada das Mesquitas a homens com menos de 50 anos
    Tags:
    confronto, terror, Quarteto do Oriente Médio, François Hollande, Federica Mogherini, Benjamin Netanyahu, Mahmoud Abbas, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar