11:51 18 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia: campo de batalha (285)
    0 416
    Nos siga no

    Militares ucranianos vão suspender a retirada dos armamentos de calibre inferior a 100 mm em Donbass caso o cessar-fogo seja violado ou forem colocados obstáculos à Missão Especial de Monitoramento (SMM, na sigla em inglês) da OSCE, disse na segunda-feira (5) representante do Estado-Maior ucraniano, Vladislav Seleznev.

    “Se for aberto fogo na zona da operação antiterrorista, o processo de retirada será suspenso. Se no território da operação antiterrorista representantes da missão de vigilância da OSCE não tiverem acesso a algumas posições e setores (se trata, primeiramente, da outra parte do conflito) o processo de retirada também será suspenso”, disse Seleznev ao canal televisivo 112 Ucrânia.

    Retirada do material bélico pesado de Donetsk
    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    Na semana passada em Minsk foi rubricado um acordo sobre a retirada dos tanques e armamentos de calibre menor de 100 mm da linha da frente em Donbass. Na quarta-feira passada (30) todas as partes firmaram o acordo.

    Antes, Kiev tinha dito que iria começar a retirada do equipamento só depois das repúblicas populares de Donetsk e Lugansk o fazerem. As autoridades de Lugansk iniciaram a retirada dos armamentos da linha da frente no sábado (3). Donetsk deve fazer o mesmo dentro de 15 dias.  

    A retirada das armas é uma das disposições dos Acordos de Minsk, que são o principal documento internacional regulador do processo da pacificação na Ucrânia.

    No entanto, por enquanto todas as tentativas da retirada resultaram em violações e confrontos locais. Tal já aconteceu perto de Donetsk em 6 de junho, quando o povoado de Marinka foi atacado pelo exército ucraniano, cujo comando alegou provocação por parte das milícias.

    Tema:
    Ucrânia: campo de batalha (285)

    Mais:

    OSCE confirma violação da trégua na Ucrânia
    Tags:
    armamentos, retirada, crise ucraniana, OSCE, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar