01:00 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    408
    Nos siga no

    O presidente do governo regional da Catalunha, Artur Mas, foi convocado para prestar depoimentos perante o tribunal sobre a sua suposta “desobediência civil”.

    A porta-voz do governo catalão, Neus Munté, já qualificou a decisão do tribunal como "motivada politicamente".

    O motivo para a convocação foi o referendo sobre a independência, realizado em novembro de 2014.

    O governo central de Madri recusou-se a reconhecer o evento como constitucional. Por isso, a Generalitat (governo regional) preferiu considerar aquela votação como um “processo participativo”, com um valor meramente simbólico.

    A decisão de convocar o presidente Artur Mas, líder do partido CDC (Convergència Democrática de Catalunya), vem depois de a lista eleitoral Junts pel Sí (Juntos pelo Sim) vencer as eleições legislativas regionais, no domingo passado.

    O governo de Artur Mas sempre chamou as eleições do dia 27 de setembro de “plebiscitárias”, destacando o seu significado para a causa independentista, existente nesta comunidade autônoma da Espanha desde há muito.

    Artur Mas votou nas eleições de 27 de setembro. Quando chegou ao local de votação, os adversários da causa independentista levantaram bandeiras espanholas e cartazes com o logo do Partido Popular (PP)
    © AFP 2020 / LLUIS GENE
    Artur Mas votou nas eleições de 27 de setembro. Quando chegou ao local de votação, os adversários da causa independentista levantaram bandeiras espanholas e cartazes com o logo do Partido Popular (PP)

    As eleições foram anunciadas logo depois do “processo participativo” de 9 de novembro de 2014 e têm sido criticadas pelo governo de Madri e representantes do Partido Popular (PP, no poder), inclusive pelo primeiro-ministro, Mariano Rajoy.

    Em resultado das eleições, o Junts pel Sí garantiu para si 64 assentos dos 135 no parlamento, obtendo 39,54% dos votos.

    Outro grupo eleitoral da causa soberanista, Candidatura d’Unitat Popular (CUP), ganhou 10 assentos no parlamento.

    Mais cedo, antes das eleições, vários deputados especulavam sobre as possibilidades de iniciar um processo de secessão oficial. Nesse caso, os catalães terão que lidar com vários problemas, entre eles o problema das relações com a União Europeia.

    Mais:

    Após eleições regionais, Catalunha pode se separar da Espanha
    Pesquisa: Espanha pode criar ‘instabilidade’ caso Catalunha se torne independente
    Há um mal-estar objetivo na Catalunha
    Independentistas apresentam “única oportunidade de sobreviver” para Catalunha
    Independentistas da Catalunha são acusados de quererem anexar França e Itália
    Catalunha pode proclamar independência sem avisar Espanha
    Independência da Catalunha: o que Madri pode (ou não) fazer, e como o Brasil deveria agir
    Nenhum tribunal espanhol impedirá independência da Catalunha, dizem independentistas
    Deputado propõe eleições sem partidos políticos na Catalunha
    Catalunha reforça causa da independência
    Espanha: centro-direita e esquerda unem-se para procurar independência da Catalunha
    Espanha prende onze suspeitos de terrorismo na Catalunha
    Tags:
    independência, eleições, Generalitat, Artur Mas, Catalunha, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar