00:44 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    107
    Nos siga no

    Um pouco antes do encontro dos ministros dos países da OTAN, no qual provavelmente Montenegro irá receber convite de aderir à Aliança, o parlamento de Montenegro adotou urgentemente uma resolução quer manifesta prontidão do país de juntar-se à OTAN.

    Enquanto isso, os partidos de oposição opinam que a questão de adesão à OTAN deve ser decidida numa referendo. Até a maioria dos simpatizantes da integração à OTAN (são 35 por cento dos cidadãos) destacam o referendo como a única maneira legítima de tomar tal decisão importante. Mas parece que as autoridades montenegrinas tentam não reparar isso. A oposição porem teme que até um referendo não impeça apresentar de maneira necessitada a “vontade do povo montenegrino”.

    “A OTAN é uma organização séria e não acho que eles próprios queiram ficar numa situação ridícula quando o país com um governo entrar na Aliança e quando nela mudar-se o poder o país irá de repente sair. Qualquer mudança do estatuto contemporâneo deve ser feito exclusivamente por meio de um referendo. No Montenegro mais de dois terços dos cidadãos são contra a OTAN, então é preciso tomar em conta esta vontade do povo”, disse à Sputnik Andrija Mandic, líder de um dos maiores partidos de oposição Nova Democracia Sérvia.

    No entanto, ele manifestou a convicção de que as autoridades montenegrinas fará tudo o possível para evitar realização de referendo e dedicar a decisão ao parlamento.

    Vladislav Dajkovic, líder do Movimento para neutralidade de Montenegro e outro adepto de referendo também duvida que tal referendo possa ser realizado de maneira justa e democrática: 

    “Estamos a favor de referendo, mas não sob tais condições. Deve ter lugar em umas condições livres e democráticas, mas é impossível enquanto ao poder no país está Partido Democrático de Socialistas chefiado pelo premiê Milo Djukanovic. Duvidamos que o referendo possa ser justo. Provavelmente os seus resultados serão falsificados como fosse no caso de todas as eleições em Montenegro nos últimos 26 anos”, sublinhou Djukanovic.

    Ele também caracterizou a resolução do parlamento como excessiva:

    “Absolutamente não está claro o que eles queriam alcançar com aprovação desta resolução se o convite à OTAN para Montenegro ainda não foi recebido. Se este convite finalmente chegar, tal resolução deverá ser adoptada de novo e mais uma vez votar par o que votara ontem à tarde”, disse o político montenegrino.

    Tags:
    exército, opinião pública, referendo, OTAN, Montenegro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar