00:46 26 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    2211
    Nos siga no

    Para reforçar o combate ao Estado Islâmico e torná-lo mais eficaz, é preciso abandonar as ambições geopolíticas e os duplos padrões, disse o presidente da Federação da Rússia, Vladimir Putin, durante a reunião do Conselho de Segurança da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC) em Dushanbé, capital do Tajiquistão.

    O presidente russo reiterou que a comunidade internacional deverá unir os seus esforços para combater esta ameaça – que é reconhecida como uma das ameaças principais do mundo.

    “É preciso deixar ao lado as ambições geopolíticas, abandonar os assim chamados duplos padrões, da política de uso (direto ou indireto) de determinados grupos terroristas para perseguir seus objetivos individuais, inclusive para conseguir a mudança de qualquer governo ou regime que não agrade a alguém”, disse Putin.

    Vários representantes da coalizão ocidental que está realizando uma operação militar no Oriente Médio contra o Estado Islâmico têm afirmado que não reconhecem o governo sírio de Bashar Assad como legítimo parceiro no combate ao grupo terrorista.

    Já a Turquia, que se juntou aos combates contra os islamistas no início de agosto, anunciou, logo depois da sua entrada formal, que combateria o seu inimigo pessoal – os militantes da minoria curda, do grupo Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK, na sigla em turco).

    O Estado Islâmico (grupo terrorista que a Rússia proibiu) constitui um perigo sério para a OTSC também, acha o presidente do Quirguistão, Almazbek Atambaev, que compartilhou o seu receio durante a sua intervenção na reunião do Conselho:

    “A ampliação da influência do grupo terrorista Estado Islâmico no território do Afeganistão implica uma ameaça direta à segurança da nossa região. Além disso, /também nos preocupam/ os vários fatos de recrutamento e saída dos cidadãos dos nossos países para participarem de conflitos armados do lado do Estado Islâmico e seu posterior regresso para continuarem a atividade terrorista e de recrutamento nos países da região”.

    O Afeganistão, país assolado por uma contínua guerra civil com a participação do contingente da OTAN e de grupos extremistas como o Talibã e agora alvo do Estado Islâmico, compartilha fronteira com o Uzbequistão e o Tajiquistão, integrantes da OTSC.

    Relatório de problemas

    Além disso, o presidente russo afirmou que o mundo contemporâneo precisa de “fazer uma lista de problemas e discrepâncias” para retomar as negociações sobe a criação de um sistema de segurança “igualitário e indivisível” na região europeia atlântica.

    Segundo Putin, medidas necessárias para isso incluem o respeito pela soberania nacional, a não interferência nos assuntos internos dos países e o não fomento de forças radicais e extremistas.

    Por sua parte, o presidente da Armênia, Serj Sargsyan, propôs que o seu país sedie, em 2016, uma conferência sobre a segurança dos espaços cibernéticos dos Estados-membros da OTSC.

    A OTSC é formada pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia e Tajiquistão.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)

    Mais:

    EUA: Ações de Moscou na Síria podem resultar em isolamento da Rússia
    Pesquisa: Franceses são a favor de operação terrestre contra Estado Islâmico
    Sergei Lavrov: EUA conhecem posições do Estado Islâmico e não as bombardeiam
    Políticos australianos: não se pode lutar contra o Estado Islâmico só com ataques aéreos
    Combate ao terrorismo não faz EUA abandonarem retórica anti-Assad
    Noruega não pode fazer nada para salvar seu cidadão sequestrado pelo Estado Islâmico
    Ex-presidente do Afeganistão: EUA precisam da Rússia e da China para combater o terrorismo
    Tags:
    terrorismo, Estado Islâmico, Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), Almazbek Atambaev, Serj Sargsyan, Vladimir Putin, Síria, Rússia, Afeganistão, Tajiquistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar