06:55 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados franceses patrulhando as ruas de Bangui em julho de 2014

    Pesquisa: Franceses são a favor de operação terrestre contra Estado Islâmico

    © AP Photo / Stephane de Sakutin
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    4212

    Segundo uma sondagem de IFOP para o jornal Le Journal du Dimanche, 56 por cento dos cidadãos franceses são a favor do envio de tropas do país para lutar contra o Estado Islâmico na Síria.

    A França neste momento só participa de ataques aéreos no Iraque e fornece armas à assim chamada oposição “moderada” na Síria. 

    Nesta segunda-feira (14) o presidente francês François Hollande negou a possibilidade de envio de forças terrestres à Síria, a qualificando como “irrealista e ilógica” 

    A França efetuou recentemente voos de reconhecimento sobre a Síria antes de iniciar golpes aéreos direcionados contra o Estado Islâmico.    

    A sondagem foi realizada por telefone nesta sexta-feira (11) e sábado (12) entre 1.005 indivíduos com idades a partir de 18 anos.

    Bélgica

    Entretanto o ministro da Defesa da Bélgica, Steven Vandeput, disse em entrevista ao jornal belga De Morgen que o país está pronto a enviar forças terrestres à Síria como parte da coalizão internacional, mas “devemos em primeiro lugar restabelecer a ordem”, diz a agência France-Presse.  

    A Bélgica é membro, desde setembro do ano passado, da coalizão internacional liderada pelos EUA contra o grupo terrorista Estado Islâmico no Iraque —  o país enviou seis jatos F-16 e 120 para participarem de ataques aéreos a partir de uma base na Jordânia.

    “Se uma coalizão semelhante for criada na Síria, não podemos ficar à margem”, disse Vandeput.

    “Não há outras soluções no longo prazo senão deslocar tropas para restabelecer a paz. Caso contrário, a ação militar faz pouco sentido”, acrescentou.

    “Devemos em primeiro lugar restabelecer a ordem na Síria e depois permanecer no terreno para protegê-lo”, disse o ministro da Defesa, referindo-se ao caos na Líbia após golpe de Estado apoiado pela OTAN que derrubou Muammar Kadhafi. 

    “As tropas das quais eu falo estão prontas. Não iremos desempenhar o papel de Rambo, mas se forem estabelecidas condições claras, estou pronto a enviar tropas belgas ao território da Síria”, frisou Vandeput. 

    Trata-se de missões de acompanhamento, como campos de monitoramento operados por tropas belgas no Mali, explicou ele negando a possibilidade de participação do exército da Bélgica em ações intensas de combate.

    O grupo terrorista Estado Islâmico, anteriormente designado por Estado Islâmico do Iraque e do Levante, inicialmente operava principalmente na Síria, onde seus militantes lutaram contra as forças do governo. Posteriormente, aproveitando o descontentamento dos sunitas iraquianos com as políticas de Bagdá, o Estado Islâmico lançou um ataque maciço em províncias do norte e noroeste do Iraque e ocupou um vasto território. No final de junho de 2014, o grupo anunciou a criação de um "califado islâmico" nos territórios sob seu controle no Iraque e na Síria.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    Tags:
    exército, sondagem, terrorismo, Estado Islâmico, Muammar Kadhafi, François Hollande, Bélgica, Síria, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik