16:05 26 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    1052
    Nos siga no

    O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, anunciou nesta sexta-feira (11) que a partir de terça-feira (15), a polícia vai começar a prender todas as pessoas que entrarem de forma ilegal no país. Nesse dia, entram em vigor as novas leis que estabelecem penas de até cinco anos de prisão pela entrada ilegal em território da húngaro.

    O dirigente disse que alguns refugiados se negam a cooperar com a polícia, o que viola as leis húngaras: “enfrentamos uma rebelião”, afirmou Orban. Ele acrescentou a necessidade urgente de medidas por parte da União Europeia (UE). "Terá de ser feito muito mais em relação à crise migratória na Europa e as decisões [da União Europeia] devem ser adotadas mais rapidamente” declarou Orban.

    O chefe do governo húngaro foi contra a proposta do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, de acolher e distribuir pela União Europeia 160 mil refugiados. Segundo Orban, as decisões no âmbito do bloco não podem ser tomadas "sem o consentimento dos chefes de Estado da UE".

    Ele ressaltou ainda a posição clara da Hungria, em relação ao Tratado de Schengen, que prevê a livre circulação por 26 Estados europeus. “O fato de a Grécia ter renunciado ao cumprimento dessa legislação não significa que a Hungria faça o mesmo”, disse.

    Para o primeiro-ministro húngaro, o problema deve ser abordado em território grego e, caso Atenas não consiga enfrentá-lo, a UE deverá apoiar este Estado-membro inclusive “com forças de defesa de fronteiras”, informou Agência Brasil.

    Mais:

    Hungria aumenta pena para quem atravessar fronteira ilegalmente
    ONU teme que nova lei de migração da Hungria crie caos generalizado
    Áustria e Alemanha permitirão ingresso de imigrantes por Hungria
    Hungria fecha estação de trem e impede viagem de centenas de refugiados
    Tags:
    imigração, imigrantes, Schengen, Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, Viktor Orban, União Europeia, Grécia, Hungria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar