13:55 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif

    Chanceler do Irã pede a grupos terrorista que parem de tentar derrubar governo sírio

    © Sputnik/ Vladimir Pesnya
    Mundo
    URL curta
    5494131

    O Ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, exortou na segunda-feira (7), em Teerã, os grupos terroristas na Síria a cessar suas tentativas de derrubar o presidente legal do país, Bashar al-Assad, e lamentou que a insistência teimosa em derrubar o chefe de Estado “impede a paz e a tranquilidade” no país.

    “Aqueles que criaram uma condição sobre o presidente sírio nos últimos dois anos devem ser responsabilizados pela guerra e pelo derramamento de sangue dos últimos anos”, afirmou Zarif durante uma conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo espanhol Jose Manuel Garcia-Margallo.

    O chanceler iraniano destacou que cabe ao povo sírio escolher o presidente de seu país. Ele apelou aos “apoiantes” dos grupos terroristas a abandonar os seus “movimentos egoístas e benefícios de curto prazo que levam a cabo muitas perdas para o povo sírio” e a deixar que a restauração da paz e da reconciliação aconteça na Síria.

    Enquanto isso, o parlamentar sírio Jamal Rabe'a negou os relatos da mídia ocidental sobre a presença de tropas russas na Síria. Ele afirmou que todo mundo no país, até mesmo os militares, foram surpreendidos por esta “notícia falsa e sem fundamento”.

    Na semana passada, uma fonte militar síria negou a chegada da Força Aérea russa na capital da província de Lattakia Governorate. No mês passado, a Rússia concordou em aumentar a sua ajuda militar, fornecendo imagens de satélite para as forças armadas sírias, como também crescer o nível de inteligência que compartilha com o comando militar central da Síria.

    Tags:
    terroristas, inteligência, ajuda militar, tropas russas, conflito, guerra civil, derrubar, Mohammad Javad Zarif, Jose Manuel Garcia-Margallo, Espanha, Irã, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik