15:18 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Migrantes sérvios tentam atravessar ilegalmente a fronteira com a Hungria perto da cidade de Roszke, em  26 de agosto de 2015

    Especialista iraniano comenta guerra na Síria e crise migratória na Europa

    © REUTERS / Laszlo Balogh
    Mundo
    URL curta
    16202

    A chefe do governo da Escócia, Nicola Sturgeon, disse que é necessário resolver a crise migratória na Europa com participação dos principais poderes da região, incluindo o Irã e ainda a Rússia.

    “Nenhum país pode lidar com a atual crise migratória por si próprio”, afirmou Sturgeon. Segundo ela, os países devem unir esforços para elaborar uma “abordagem comum”.

    “Só coordenando as nossas ações é possível encontrar uma resposta digna para esta crise sem precedentes”, sublinhou a líder escocesa.

    A Sputnik entrevistou o cientista político Hossein Ruyvaran para saber de que maneira o Irã pode contribuir para a resolução da crise migratória na UE.

    O especialista tem a certeza de que a questão dos refugiados na UE é muito politizada, pois a quantidade deles no Iêmen é duas vezes maior. Mas o Ocidente não faz nada:

    “O Ocidente colabora com a guerra cobarde da Arábia Saudita e com as violações graves do direito internacional. Na Síria está lançada uma nova ordem. De facto, é uma típica desordem estabelecida pelo Ocidente», explica o cientista as razões da guerra e, consequentemente, da crise na Europa.

    “Parece que os norte-americanos perderam o controle da situação. Mas quem começou o problema deve assumir a responsabilidade completa pelas consequências”, afirma Hossein Ruyvaran.

    No entanto, segundo o especialista, a responsabilidade está sendo transferida ao Irã e Rússia, embora estes países tenham apoiado o regime sírio. 

    “O Irã demonstrou coragem quanto à ajuda aos refugiados na região. O país acolheu pelo menos 4 milhões dos refugiados afegãos, uns milhões de migrantes iraquianos”, acrescentou o cientista político.

    Enquanto a UE grita que está se preparando para aceitar 10 mil refugiados e anuncia “a sua ação nobre” em todo o mundo, o Irã atua na prática. 

    O especialista também sublinhou que o problema dos migrantes na UE não pode ser separado da guerra na Síria:

    “Outros países não devem intervir no conflito diretamente visto que é um conflito civil interno. A crise acabará e o problema dos refugiados e migrantes será resolvido. Do meu ponto de vista, a formulação do problema pelo Ocidente é absolutamente incorreta e irracional”.

    A Síria está envolvida em uma guerra civil desde março de 2011. O governo luta contra vários grupos rebeldes e organizações militares, incluindo a Frente al-Nusra e o grupo terrorista Estado Islâmico, proibido na Rússia. No entanto, o Ocidente não quer considerar o presidente da Síria, Bashar Assad, como um aliado na luta contra o grupo terrorista.

    Mais:

    Primeiro-Ministro eslovaco duvida que os refugiados estejam morrendo de fome
    Conselho Europeu pede divisão de 100 mil refugiados entre países da UE
    Chanceleres da Itália, Alemanha e França debatem crise migratória na UE
    Tags:
    refugiados, crise migratória, União Europeia, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik