20:37 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    12191
    Nos siga no

    A França devolveu todo o dinheiro pago pela Rússia referente aos porta-helicópteros Mistral, segundo informou à RIA Novosti um funcionário do alto escalão do Serviço Federal para Cooperação Técnico-Militar russo nesta quinta-feira (27), em Zhukovsky, onde acontece o Salão Aeroespacial Internacional de Moscou (MAKS) 2015.

    “A França voltou para a Rússia toda a quantia, cerca de € 900 milhões. A Rússia havia pago diretamente € 800 milhões pelos navios Mistral até o momento da rescisão contratual”, afirmou a fonte.

    A informação é semelhante à transmitida pelo porta-voz do governo francês, Stephan Le Foll, que, na quarta-feira (28), havia dito que o montante da remuneração paga à Rússia para rescindir o contrato para o fornecimento de dois porta-helicópteros da classe Mistral pela França não excedeu € 1 bilhões de euros.

    A Rússia ainda precisa permitir que a França exporte os dois porta-helicópteros para países terceiros, de acordo com a fonte.

    “Apesar da França transferir todos os fundos por não entregar os Mistral, cerca de 900 milhões de Euros, Paris ainda não tem autorização por parte da Rússia de voltar a exportar esses navios”, disse a fonte.

    Nos termos do contrato de € 1,2 bilhão assinado em 2011, a França concordou em vender dois porta-helicópteros da classe Mistral à Rússia. Em Novembro de 2014, Paris suspendeu a entrega como uma medida punitiva em resposta à alegada intromissão russa na crise ucraniana. Moscou repetidamente nega estas acusações.

    Russos e franceses rescindiram o contrato para a entrega dos Mistral no dia 5 de agosto. A França prometeu reembolsar a Rússia a totalidade da soma paga pelos navios, enquanto o ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian, disse mais tarde que a restituição seria equivalente a menos do que o preço original.

    Tags:
    porta-helicópteros, reembolso, envolvimento, pagamento, navio, indenização, crise, Mistral, Ministério da Defesa, Jean-Yves Le Drian, Moscou, França, Paris, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar