16:04 22 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Zona Desmilitarizada que separa as duas Coreias

    Coreias começam negociações

    © AFP 2018/ Jung Yeon-Je
    Mundo
    URL curta
    19145

    Começaram hoje as negociações de alto nível entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul que visam prevenir um conflito militar, comunicou a Agência Central de Notícias da Coreia.

    Por parte da Coreia do Sul, a delegação é chefiada pelo secretário presidencial para a Defesa e ministro da Unificação. A delegação norte-coreana é liderada pelo chefe da direção política das Forças Armadas da Coreia do Norte e chefe do departamento da unificação do Comité Central do Partido dos Trabalhadores.

    O diálogo foi acordado algumas horas antes do prazo final do ultimato norte-coreano com exigência de parar a transmissão de "propaganda" contra a Coreia do Norte por meio de altifalantes instalados na fronteira. Pyongyang ameaçou eliminar as instalações se a exigência não fosse realizada.  

    As negociações decorrem à porta fechada na zona desmilitarizada, em Panmunjeom.

    Apesar do diálogo, os exércitos de ambos os países estão estado de alerta.

    Nesta sexta-feira (21), o líder norte-coreano, Kim Jong-un, ordenou que suas tropas estivessem prontas para o combate com os vizinhos do sul, após um intenso duelo de artilharia, sem baixas, na fronteira entre os dois países na última quinta-feira. Os norte-coreanos exigiram que Seul desmontasse até sábado (22) o sistema de altifalantes utilizado para fazer propaganda contra o seu governo. Já a Coreia do Sul, que acusou Pyongyang de iniciar o conflito ao disparar um foguete contra o seu território, disse que não pretendia respeitar o ultimato, garantindo que as emissões áudio contra Kim Jong-un ao longo da fronteira vão continuar.

    Mais:

    Ban Ki-moon pede o fim das tensões na península coreana
    EUA e Coreia do Sul interrompem exercícios militares
    Tags:
    tensão, ameaça militar, negociações, Península Coreana, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik