17:42 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Mapa político mostrando Crimeia como parte da Federação Rússa

    Europarlamentar polonês planeja visita à Crimeia para discutir relações com Rússia

    © Sputnik/ Andrey Iglov
    Mundo
    URL curta
    51110171

    O membro do Parlamento Europeu, polonês Janusz Ryszard Korwin-Mikke, supostamente está seguindo os passos de uma delegação francesa que visitou a península do mar Negro da Crimeia.

    "Eu considero a viagem dos parlamentares franceses para a Crimeia o passo certo, porque reconhece o estatuto jurídico atual da Crimeia, desde que a península de fato se tornou parte da Federação Russa. Eu estou a favor de tal viagem e vou tentar realizá-lo", disse Korwin-Mikke na sexta-feira.

    O membro do Parlamento Europeu acrescentou que ele queria discutir o seu plano para visitar a Crimeia com os outros membros do seu partido Coalizão para a Renovação da República — Liberdade e Esperança, que Korwin-Mikke estabeleceu no início deste ano depois de um conflito com o seu ex-partido Congresso da Nova Direita (Nowa Prawica).

    A verdade é que uma Ucrânia independente, que os políticos poloneses tanto esperavam ver, mudou drasticamente, disse Korwin-Mikke em entrevista à Sputnik Polska. Na sua opinião, a Polônia deve olhar mais para o leste, não para o oeste:

    "O nosso partido considera a Rússia como um forte contrapeso para a União Europeia. Gostaríamos de desenvolver laços comerciais com a Rússia e a China de forma mais ativa", disse Korwin-Mikke, acrescentando que a expansão econômica da Polônia deve se apontar para o oriente.

    De acordo com ele, a Rússia e a Polônia não têm nenhuma disputa territorial. No entanto, a Polônia tem disputas territoriais com a Ucrânia e ainda com a Alemanha. A Alemanha domina a Ucrânia, é evidente; diz. Nesse caso, explica o político, é melhor fazer amizade com a Rússia do que com os vizinhos.

    "Eu fui na fronteira russo-polonesa e não vi hostilidade lá. Acho que não é preciso aumentar as tropas da OTAN. Isto não significa que eu apoie as ações da Rússia em Donbass. Para mim, o interesse da Polônia é de ter a Rússia como o amigo, mas não brigar com ela. Se os outros partidos pensam de outra forma, então, na minha opinião, eles estão errados", afirmou Korwin-Mikke. 

    A Crimeia se separou da Ucrânia para se juntar à Rússia em março de 2014 na sequência de um referendo em que mais de 96 por cento dos habitantes da península apoiaram a reintegração com a Rússia. O Ocidente chamou a votação uma "anexação". Moscou declarou que o referendo plenamente respeita o direito internacional. 

    Os países ocidentais e também o Japão impuseram sanções econômicas alvejando os segmentos bancário, energético da Rússia e alguns setores de defesa após a reunificação da Crimeia com a Rússia.

    A península acolheu, em julho, uma delegação de deputados franceses, que elogiaram a região, ressaltando que o referendo foi legítimo e a Crimeia é uma região da Rússia. Depois daquela visita, outros grupos de deputados europeus, inclusive franceses, italianos e alemães, apoiaram a ideia e anunciaram o seu desejo de visitar a Crimeia. Os legisladores franceses disseram que o que eles viram na Crimeia foi completamente diferente do que era retratado pela mídia ocidental.

    Mais:

    Empresa da Crimeia anuncia projeto bilionário de desenvolvimento de plataforma
    Deputado alemão defende direito dos parlamentares europeus de visitar a Crimeia
    Tags:
    sanções, Polônia, Crimeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik