06:00 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Arseny Yatsenyuk, ex-premiê ucraniano, foto de arquivo

    Yatsenyuk: fim do confronto em Donbass está muito longe

    © REUTERS/ Yuri Gripas
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia: campo de batalha (286)
    240108

    O fim do conflito em Donbass ainda está muito longe, segundo declarou nesta sexta-feira o primeiro-ministro da Ucrânia, Arseny Yatsenyuk.

    “Lamentavelmente, a guerra não terminou e ainda falta muito para que a paz reine na Ucrânia, já que a Rússia não deseja cumprir os acordos de Minsk”, afirmou Yatsenyuk durante um encontro com voluntários em Kiev.

    Segundo o primeiro-ministro ucraniano, “o caminho para a paz só é possível por meio de um Exército forte, uma Guarda Nacional forte e tropas ucranianas fortes que defendam a Ucrânia.”

    Anteriormente, o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, comentando as declarações sobre a suposta presença de militares russos em Donbass, afirmou que as acusações vazias não eram novidade e nunca havia feitos concretos depois delas. Segundo suas palavras, Kiev é quem não cumpre os acordos de Minsk e evita contato com os representantes de Donbass.

    Kiev iniciou, em abril de 2014, uma operação militar contra as forças da região de Donbas, que  se opuseram ao golpe de Estado em Kiev em fevereiro do ano passado. De acordo com os dados da ONU, o conflito já causou mais de 6.800 mortes e deixou 17.100 feridos.

    Atualmente, está em vigor um cessar-fogo na região, negociado por representantes da Rússia, da Ucrânia e da OSCE, adotado em 12 de fevereiro, em Minsk. No entanto, ambos os lados do conflito relatam constantes violações da trégua.


    Tema:
    Ucrânia: campo de batalha (286)

    Mais:

    Ucrânia aumenta a lista de filmes russos proibidos
    Ex-presidente deposto da Ucrânia é convocado para interrogatório em Kiev
    Moscou está decepcionada com recusa de Kiev em dialogar com sudeste da Ucrânia
    Tags:
    conflito, Kremlin, Dmitry Peskov, Arseny Yatsenyuk, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik