17:43 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Dubai skyline

    Emirados lucrarão US$ 13 bilhões após fim de sanções ao Irã

    © flickr.com/ Hendrik Terbeck
    Mundo
    URL curta
    161583

    A economia dos Emirados Árabes Unidos terá ganhos extras de US$ 13 bilhões até 2018 graças ao fim das sanções internacionais contra o Irã, afirma o jornal local The National, que cita um informe do Fundo Monetário Internacional (FMI).

    O valor equivale a um aumento anual de 1% no crescimento real do PIB ao longo dos próximos três anos, apontam os autores do documento do FMI. O texto atribui o lucro ao restabelecimento dos vínculos comerciais entre os países e à entrada de capital iraniano.

    "Os EAU estão em uma boa posição para se beneficiarem da abertura do mercado iraniano e servirem de base para a renovada atividade comercial", apontam os especialistas do FMI.

    As exportações não-petroleiras dos Emirados ao Irã alcançaram US$ 12 bilhões de dólares em 2013 — 12% do total dos EAU. O grosso do valor correspondeu às reexportações através do porto Jebel Ali, em Dubai.

    "Com seus portos e infraestrutura, Dubai e os EAU provavelmente se transformarão em uma portão de entrada no Irã. É o lugar mais cômodo para que as empresas multinacionais invistam no país", opina o chefe do escritório regional do banco de investimentos Renaissance Capital, Ahmed Badr.

    O representante do banco espera a chegada de grandes investimentos procedentes do Irã em Dubai, já que "há muito dinheiro no Irã." Segundo Badr, os investimentos iranianos beneficiarão os bancos e o setor imobiliário de Dubai.

    Mais:

    Irã pode trocar petróleo por caças chineses
    Presidente israelense reprova política de Netanyahu quanto ao acordo nuclear com Irã
    Irã nega acesso da ONU a militares e cientistas
    Barack Obama: A alternativa ao acordo nuclear com o Irã é a guerra
    Militares israelenses pedem que Netanyahu aceite acordo com Irã
    Tags:
    infraestrutura, exportação, lucro, Irã, Emirados Árabes Unidos, Dubai
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik