00:54 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Rússia e da União Europeia

    Ucrânia e países aspirantes a serem membros da UE aderem às sanções contra Rússia

    © Sputnik/ Vladimir Sergeev
    Mundo
    URL curta
    Guerra de sanções entre Rússia e Ocidente (179)
    0 118607

    O prolongamento das sanções econômicas da União Europeia contra a Rússia foi apoiado por mais seis países - Montenegro, Albânia, Islândia, Liechtenstein, Noruega e Ucrânia. A respectiva declaração da chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini foi publicada no site da UE.

    "Os países candidatos a ingressar na UE, Montenegro e Albânia, os países-membros da Associação Europeia de Comércio Livre, Islândia, Liechtenstein e Noruega, membros do Espaço Econômico Europeu, bem como a Ucrânia, subscrevem a presente declaração. Eles garantem a conformidade de suas políticas nacionais com as decisões do Conselho", diz o comunicado.

    Alguns representantes desses países opinam que essas sanções prejudicam a economia e a política dos próprios países que as apoiaram. Por exemplo, o presidente da Comissão Parlamentar de Montenegro sobre a integração europeia Slaven Radunovic acha que "Montenegro há muito tempo realiza uma política externa não nos interesses de seu próprio povo, mas nos interesses de certos países da UE e os EUA".  "Eles [as autoridades montenegrinas] fazem isso por seus motivos egoístas em uma tentativa de prolongar sua permanência no poder', explicou ele. "Nós vemos agora os russos estão vendendo seus imóveis em Montenegro. O que é mais, os investimentos da Rússia para o nosso país praticamente quase pararam. É um golpe duro para a economia fraca de Montenegro", disse ele. 

    "O nosso governo diz que vai compensar a perda com investimentos ocidentais, mas eles não são suficientes", acrescentou Radunovic.

    Segundo o Instituto Austríaco de Pesquisas Econômicas (WIFO), a recessão da economia e o efeito das sanções estão intimamente ligados entre si. Os pesquisadores supõem que, no cenário de pior quadro, mais de dois milhões de habitantes da União Europeia poderiam perder seus empregos.

    As exportações suecas sofrem de sanções russas

    A Suécia, outro membro da União Europeia, também vê-se atingida pela "guerra das sanções".

    Durante o ano passado as empresas suecas 89 vezes apelavam para a Junta Comercial para a autorização de exportação de bens, escreve o jornal sueco SvD. Um dos efeitos negativos das sanções foi a diminuição dos lucros para as empresas de transporte marítimo.

    Além disso, as exportações suecas de produtos alimentares, bebidas e tabaco para a Rússia caíram 45 por cento, passando de 194 milhões de coroas no primeiro trimestre de 2014 para 107 milhões de coroas no primeiro trimestre de 2015.

    Como parte das sanções é proibido para as empresas ocidentais a extração do petróleo no Ártico e na Rússia.

    Ao mesmo tempo tudo isso alimenta os processos burocráticos nos negócios com a Rússia.

    As empresas norueguesas são mais positivas sobre a cooperação com a Rússia

    O Cônsul Geral da Noruega Heidi Olufsen pensa que "apesar da crise econômica, podemos falar sobre o potencial de investimento em vários setores na Rússia, em particular, agricultura e silvicultura", e acrescentou que em geral empresários do país pronunciam-se a favor das negócios com a Rússia. Há muitos empresários noruegueses que trabalham na Rússia são interessados na Rússia economicamente forte para ter novos possibilidades de desenvolver seu negócio.

    A mesma Federica Mogherini, no entanto, declarou ainda em meados de maio que "uma Rússia isolada, fraca e desestabilizada está fora dos nossos interesses". Na ocasião, ela afirmou que a participação da Rússia na busca de soluções de crises existentes "já deu resultados sérios".

    As relações entre a Rússia e o Ocidente deterioraram-se por conta da situação na Ucrânia. Em julho do ano passado, a UE e os Estados Unidos aplicaram sanções pontuais contra certos indivíduos e empresas da Rússia. Em seguida, foram implementadas medidas restritivas a setores inteiros da economia russa. Em resposta, a Rússia restringiu a importação de produtos alimentares de países que impuseram as sanções. Moscou tem afirmado repetidamente que não tem interferência no conflito interno ucraniano e possui interesse na resolução pacífica do confronto. A Noruega, que não faz parte da União Europeia, aderiu às sanções antirrussas, unindo-se assim à "guerra das sanções".

    Tema:
    Guerra de sanções entre Rússia e Ocidente (179)

    Mais:

    Sanções à Rússia provocam perdas em toda a Europa
    Tags:
    negócios, embargo, sanções, Rússia, UE, Europa, União Europeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik