20:14 20 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Forças de segurança afegãs patrulham território após explosão ao lado do parlamento em Cabul

    Negociações de paz para Afeganistão podem ter lugar na China

    © REUTERS/ Ahmad Masood
    Mundo
    URL curta
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    299781

    Afeganistão terá negociações que devem pôr fim ao conflito com o movimento extremista.

    A segunda ronda das negociações diretas entre o Talibã e o governo afegão estão planejadas para 30 ou 31 de julho, na semana que vem.

    Segundo Mohammed Ismail Qasimyar, do Alto Conselho pela Paz afegão, citado pela AFP, o encontro, “com muita probabilidade”, terá lugar na China. Porém, o lugar concreto ainda não está determinado e está sendo debatido por representantes do Afeganistão, Paquistão, EUA e China.

    As partes participantes do conflito estabeleceram contato em 7 e 8 de julho em Murree, perto de Islamabad, capital paquistanesa. Diplomatas chineses e norte-americanos também participaram do encontro.

    As negociações acontecem em um clima novo de violência, que tem crescido ultimamente, com ataques e ameaças por parte dos rebeldes islamistas do Talibã.

    Os ataques têm inclusive se espalhado por regiões que não pertencem à tradicional zona de atuação do Talibã no Sul e Leste do país.

    A capital, Cabul, e províncias do Norte também foram atingidas. 

    No entanto, a missão da OTAN, que deveria trazer a paz ao país, deixa-o sem sua assistência militar. Não se trata da retirada total que tinha sido prometida, mas de uma reorientação: os 12.500 soldados estrangeiros que agora estarão no Afeganistão, exercerão um papel de conselheiros para as Forças Armadas afegãs.

    Tema:
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)

    Mais:

    Afeganistão: EUA não respeitam promessas
    Senador americano especula que EUA poderão deixar tropas no Afeganistão
    Estado Islâmico conquista territórios do Talibã no Afeganistão
    Tags:
    negociações, terrorismo, Talibã, China, EUA, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik