06:14 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Chanceler da Alemanha Angela Merkel

    Mídia alemã acusa Merkel de hipocrisia em relação à Grécia

    © AP Photo/ Michael Sohn
    Mundo
    URL curta
    61643270

    Meios de comunicação alemães estão acusando a chanceler Angela Merkel de hipocrisia, lembrando que a Alemanha se beneficiou de concessões após o fim da II Guerra Mundial e agora impõe exigências excessivas sobre a Grécia.

    Após o fim da Segunda Guerra Mundial, de fato, a Alemanha assinou o chamado Acordo de Londres, segundo o qual os credores do país concordaram em perdoar mais da metade da dívida de guerra da jovem República Federal, o que foi um dos principais fatores que permitiram o milagre econômico alemão da década de 1950, segundo escreve o diário Der Spiegel.

    A situação entra em paralelo com a crise da Grécia, embora a Alemanha, parecendo ter esquecido as lições do passado, mantenha-se relutante em fazer concessões semelhantes às que lhe beneficiaram.

    "O principal credor a exigir que os gregos sejam obrigados a pagar por licenciosidades passadas se beneficiou não muito tempo atrás de termos mais brandos do que os que está agora preparado para oferecer", escreveu o Der Spiegel, citando o New York Times.

    A posição de Berlim em relação à Grécia também provoca críticas por parte de líderes de vários países. A Casa Branca, por exemplo, há muito tempo vem exercendo uma pressão silenciosa nos bastidores das negociações internacionais a fim de conseguir a reestruturação ou um corte da dívida de Atenas.

    A saída da Grécia da zona do Euro poderia ter consequências negativas mesmo para os distantes EUA, observa o Der Spiegel. Segundo o jornal, um colapso na Europa e um transbordamento da crise poderia ter uma influência negativa sobre o crescimento da economia norte-americana. Os EUA, aliás, têm um problema semelhante em sua vizinhança mais próxima, em Porto Rico. A dívida esmagadora do território norte-americano no Caribe já se situa em 72 bilhões de dólares.

    Recentemente, o presidente do país, Barack Obama, tomou a iniciativa de conduzir conversas telefônicas com os políticos-chave "envolvidos" na crise da dívida europeia. Na terça-feira (7), ele falou com o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras e com a chanceler Angela Merkel.

    De acordo com Obama, a Grécia deve ser autorizada a retomar suas reformas e receber uma oportunidade de retornar ao crescimento econômico. Assim, segundo o Der Spiegel, é hora de Merkel abandonar a linha dura e se disponibilizar para um compromisso mais aceitável para os gregos.

    Mais:

    Grécia apela à solidariedade e lembra perdão da dívida alemã em 1953
    Grécia confirma a intenção de permancer na zona do euro
    Moscou recebe sinais de que Grécia quer juntar-se ao Banco BRICS
    Opinião: BRICS poderá viabilizar futuro da Grécia
    Tags:
    austeridade, acordo, crise, dívida, Segunda Guerra Mundial, Der Spiegel, Banco Mundial, Banco Central Europeu, FMI, Syriza, Alexis Tsipras, Barack Obama, Angela Merkel, Porto Rico, EUA, União Europeia, Alemanha, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik