20:18 23 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Bashar al-Assad, presidente da Síria

    Assad culpa políticas ocidentais por crise na Síria

    © REUTERS/ SANA/Handout via Reuters
    Mundo
    URL curta
    101168213

    O presidente da Síria, Bashar Assad, voltou a afirmar que a grande concentração de grupos terroristas hoje em seu país revela a falha das políticas ocidentais para todo o Oriente Médio. Mas, segundo ele, a ação de políticos europeus com alguma sensibilidade poderia ter um papel importante para a resolução dos problemas regionais.

    Em reunião com o presidente do Partido Democrata Cristão da França, Jean-Frederic Poisson, em Damasco, neste domingo, o líder sírio disse que a política ocidental no Oriente Médio favoreceu a disseminação do terrorismo, e, hoje, a Síria se encontra em conflito com organizações extremistas regionais e também com grupos apoiados por instituições internacionais, o que representa uma grande ameaça não apenas para o Oriente Médio, mas também para a Europa. 

    Segundo Assad, os governos ocidentais não deveriam se intrometer nas questões internas de outros países, sem ouvir "as vozes das nações" e se utilizando de padrões duplos na luta contra o terrorismo. 

    Concordando que o restabelecimento da paz na Síria causaria um impacto positivo também na Europa, o político francês, por sua vez, destacou que qualquer tentativa de resolução da crise síria não pode ser feita sem o apoio do atual governo do país e de diálogos diretos com Bashar Assad, considerado um ditador pelo atual governo da França. 

    Mais:

    EUA querem saber quem usou armas químicas na Síria, mas por que agora?
    ONU aprova resolução condenando violações dos direitos humanos na Síria
    Visita de Dilma a Washington pode ter mudado posição do Brasil em relação à Síria
    Obama: para vencer Estado Islâmico é necessário remover Assad
    Tags:
    terrorismo, Partido Democrata Cristão, Jean-Frederic Poisson, Oriente Médio, Síria, Europa, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik