01:27 27 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    4354
    Nos siga no

    Os EUA devem cooperar com os BRICS, insistem autores de uma petição lançada nos EUA.

    Na véspera da cúpula dos BRICS em Ufá, uma petição exigindo maior cooperação com as cinco economias emergentes ganha popularidade nos EUA. Até esta segunda-feira, mais de duas mil pessoas assinaram a petição, intitulada "Os EUA e a Europa devem ter a coragem de rejeitar a geopolítica e colaborar com os BRICS", divulgada em novembro de 2014.

    Em uma entrevista exclusiva à Sputnik, a autora do texto, ativista e fundadora do Instituto Schiller, Helga Zepp-LaRouche disse que os resultados do referendo na Grécia, onde mais de 61% dos votantes recusaram-se a aceitar as medidas de austeridade impostas pela União Europeia, preconizam a mudança iminente do sistema econômico mundial:

    "A realidade é que, depois da cúpula [dos BRICS] em Fortaleza em 2014, os países dos BRICS começaram a construção de um sistema econômico completamente novo. Um sistema que diz não ao sistema transatlântico, que mais parece um casino".

    Ela explicou que no resultado será uma nova plataforma em que os EUA e a Europa serão capazes de trabalhar com os BRICS.

    “Na cooperação da Eurásia e o Ocidente pode nascer nova ordem econômica mundial, o que será benéfico para todos os países participantes. Como afirmou repetidamente o presidente da China, Xi Jinping, precisamos caminhar para uma cooperação mutuamente benéfica”, disse.

    Zepp-LaRouche destaca que o objetivo da petição é mostrar que existe uma alternativa à política atual dos EUA de confrontação com a Rússia e a China:

    Moedas com bandeira da Grécia ao fundo
    © AFP 2019 / PHILIPPE HUGUEN
    "Hoje, nós temos que lidar com duas ameaças inter-relacionadas: a queda iminente do sistema transatlântico e o perigo de guerra provocada pela política atual da OTAN contra a Rússia, junto com a tensão crescente com a China, guerra que pode pôr fim ao gênero humano".

    Segunda ela, a questão principal de hoje é “transcender o pensamento geopolítico” e “iniciar um novo paradigma de pensamento com base nos objetivos comuns da humanidade”.

    “Uma visão geopolítica semelhante já provocou duas guerras no século XX… É preciso olhar não de ponto de vista dos interesses de um país ou grupo de países, mas de ponto de vista humano. Temos que mover em direção a uma mentalidade completamente diferente, de uma única humanidade, e tentar resolver todos os conflitos aqui e agora”, acrescentou.

    A ativista, de origem alemã, mulher do também ativista norte-americano Lyndon LaRouche, explica que os cidadãos dos EUA conhecem muito pouco sobre os BRICS e o novo "projeto econômico". Por isso, representantes do Instituto Schiller organizam atividades de rua para conscientizar os habitantes.

    "O formato dos BRICS resultou ser exitoso e o mundo de hoje precisa de um novo modelo de cooperação que substitua a confrontação geopolítica", frisou a ativista.

    Mais:

    Presidente do Novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS já está trabalhando
    Documento final do Fórum BRICS Civil é enviado à Presidência da Rússia
    Novo fundo de reservas do BRICS entrará em operação em um mês
    Tags:
    economia, BRICS, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar