22:37 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Grécia e da China

    China pode ajudar Grécia diretamente, diz especialista chinês

    © AP Photo / Oded Balilty
    Mundo
    URL curta
    2131

    A China pode ajudar a Grécia a sair da crise através de instrumentos comunitários da União Europeia ou diretamente, por meio de seus novos instrumentos financeiros, segundo afirma Fan Mingtai, membro da Academia Chinesa de Ciências Sociais, afiliado ao Conselho de Estado da China e entrevistado pela Sputnik nesta quinta-feira (2).

    "Eu acredito que há duas maneiras de dar ajuda chinesa à Grécia. Em primeiro lugar, no âmbito da ajuda internacional através dos países da União Europeia. Em segundo lugar, a China poderia ajudar a Grécia diretamente. Especialmente se considerarmos o Corredor Econômico da Rota da Seda e o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura. A China tem essa capacidade", disse ele.

    O banco de investimentos Goldman Sachs previu em um relatório publicado na quarta-feira (1º) que, no pior cenário, as exportações da China diminuiriam 2,2% como resultado da crise econômica da Grécia. Além das exportações para o país europeu, a crise também poderia prejudicar as economias dos países vizinhos, onde os empresários chineses também fizeram investimentos consideráveis.

    "A crise grega tem uma influência sem dúvida séria sobre o comércio da China com a Grécia e os investimentos no país. Mas eu penso que os países europeus em conjunto com a China podem ajudar a Grécia a superar os problemas que surgiram", disse o especialista entrevistado pela Sputnik chinesa, que também é diretor do Departamento de Finanças Quantitativas no Instituto Chinês de Economia Técnica e Quantitativa.

    Segundo Fan, não é provável que a crise seja um problema insustentável em longo prazo, embora Pequim deva mesmo sofrer algumas perdas no comércio com Atenas.

    Mais:

    Goldman Sachs: saída da Grécia do euro pode afetar exportações da Ásia
    Varoufakis defende o voto "não" em plebiscito na Grécia
    Hollande pede que Europa chegue rápido a acordo com Grécia
    Duas atitudes diferentes do FMI frente à Grécia e Ucrânia
    Tags:
    dívida, crise, Rota da Seda, Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB), FMI, BRICS, Grécia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar