17:46 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Banderas de la UE y Rusia (archivo)

    Jurista: Europa há de reconhecer que a Rússia tem interesses legítimos

    © Sputnik/ Vladimir Sergeev
    Mundo
    URL curta
    0 773171

    Um dos requisitos para que melhores as relações entre a União Europeia e a Rússia é que a UE reconheça os legítimos interesses russos, afirma o jurista alemão Andreas Wehr, autor de vários livros sobre a União Europeia.

    "As relações são ruins e hão de melhorar por interesse das duas partes. Um requisito é que os políticos e a opinião pública alemães  reconheçam que a Rússia também tem interesses legítimos, por exemplo, na Ucrânia", declarou.

    Wehr explicou à Sputnik que existem antecedentes históricos que poderiam servir de exemplo para melhorar as relações.

    "Quando ainda existia a União Soviética, era sabido na Alemanha que se precisava respeitar os interesses de uma superpotência que se encontrava junto a ela" e inclusive "se apoiou a cooperação consciente com ela enquanto havia tropas soviéticas à margem do rio Elba", explicou.

    Wehr afirmou estar convencido "de que hoje teria êxito reativar essa 'compreensão sobre os russos' tão comum naquela época, para introduzir um fator de equilíbrio no debate público."

    "As pesquisas de opinião em vários países mostram que a política de Putin está mais valorizada na Alemanha do que nos Estados Unidos, no Canadá ou no Reino Unido", declarou.

    Para Wehr,"diferentes forças na Alemanha podem ter interesse em uma melhoria nas relações com a Rússia."

    "Uma parte importante do capital alemão teria muito a perder com um colapso do mercado russo, mas também forças de esquerda e antiimperialistas, que veem com preocupação enorme a influência militar dos Estados Unidos em todo o mundo", disse.

    Mais:

    Representantes permanentes dos países da UE aprovam prorrogação das sanções contra Rússia
    Banco Central da Rússia prevê sanções até 2018
    Chanceler tcheco considera provável a prorrogação de sanções contra a Rússia
    Tags:
    interesses, relações, sanções, Alemanha, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik