14:06 22 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 81
    Nos siga no

    O senado dos Estados Unidos não conseguiu chegar a um acordo para prorrogar a validade da seção 215 da Lei Patriótica, que dá sustentação à coleta não autorizada de metadados de cidadãos comuns pela NSA, a Agência de Segurança Nacional.

    Após horas de debate em sessão extraordinária, o senador Rand Paul, responsável por bloquear a possibilidade de chegar a uma solução, declarou que as polêmicas partes da Lei Patriótica iriam expirar como previsto, provocando indignação entre os defensores da espionagem. 

    A medida, sancionada pelo então presidente George W. Bush após os ataques de 11 de setembro de 2001, tinha a suposta finalidade de ajudar as autoridades no combate a ameaças terroristas. Mas, para Paul, que é pré-candidato à presidência pelo Partido Republicano, os americanos devem pensar em outra maneira para derrotar os terroristas, sem permitir que o governo se intrometa nos direitos à privacidade da população. 

    Apesar da expiração de partes importantes da Lei Patriótica, os senadores decidiram considerar a legislação que irá substituir as disposições da antiga lei, a chamada Lei da Liberdade, que, ao mesmo tempo, impõe limitações aos programas de espionagem do país. A expectativa do governo era a de que pelo menos essa nova regulamentação fosse aprovada automaticamente neste domingo, para que o país não ficasse sem programas de vigilância, mesmo que por algumas horas.

    Os senadores americanos devem voltar a se reunir para discutir a questão nesta segunda-feira. 

    Mais:

    Snowden: reconhecimento da ilegalidade da NSA afetará as atividades de espionagem dos EUA
    EUA podem suspender coletas de informações da NSA
    Decisão do Congresso dos EUA não acaba com “grampo telefônico” da NSA
    Tags:
    EUA, Washington, George W. Bush, Rand Paul, Partido Republicano, Lei Patriótica, Lei da Liberdade
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar