11:41 21 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes em Kiev

    Sindicatos ucranianos exigem aumento do salário mínimo

    © Sputnik / Stringer
    Mundo
    URL curta
    0 181

    A Federação dos Sindicatos da Ucrânia (FPU na sigla em ucraniano) começa hoje a realizar protestos para exigir melhores salários e pagamento de ordenados em atraso, em uma altura em que o governo leva a cabo reformas, um plano de austeridade e aumenta as despesas com a guerra no Sudeste do país.

    CyberBerkut
    © Foto : http://www.cyber-berkut.org
    O FPU, juntamente com outros sindicatos, vai realizar piquetes em frente à sede do governo, liderado por Arseni Yatsenyuk, que anunciou recentemente fortes medidas de ajustamento económico com impacto entre a população.

    O vice-chefe da FPU, Sergei Kondratyuk, disse o seguinte: "Nós começamos os protestos em massa. A primeira manifestação acontece hoje, 27 de maio, a segunda será no dia 3 de junho e a terceira no dia 10 de junho." Os sindicatos definiram os três objetivos principais: a apresentação imediata pelo Conselho de Ministros de propostas ao Parlamento ucraniano sobre o aumento dos salários a partir de 1 de Julho e visando impedir a inclusão de medidas antissociais no orçamento de 2016."

    Segundo afirmou o vice-chefe, o salário mínimo agora está em 1218 grívnas (56,5 dólares) 2,5 vezes menor do que foi estabelecido por lei. De acordo com ele, o salário mínimo no país deve ultrapassar 3500 grívnas (162,41 dólares) por mês, mas o governo se recusa ao diálogo social sobre a revisão das normas existentes. Um fato muito triste é que o salário mínimo na Ucrânia pode ser comparado com o salário dos habitantes da Zâmbia.

    Sergei Kondratyuk disse que o governo esconde as dimensões da pobreza no país e o crescimento dos salários atrasados atingiu 2 bilhões de dólares, afetando mais de 500 mil trabalhadores, o que viola os direitos constitucionais dos cidadãos. Kondratyuk disse que os trabalhadores ucranianos receberam o apoio da Confederação Sindical Internacional, com sede em Bruxelas, enquanto o seu líder, Sharon Barrow, está se preparando para realizar uma visita a Kiev.

    Centenas de pessoas participam na ação do protesto, permanecendo na frente da entrada principal do edifício do governo. Os manifestantes estão carregando bandeiras da Federação de Sindicatos da Ucrânia e cartazes com lemas "O trabalhador não deve ser pobre! Isto envergonha o Estado", "Tributar pensões é uma vergonha nacional!" e "Não à redução da produção e ao desemprego. Sim aos postos de trabalho".

    A manifestação de hoje pode ser considerada como um aviso às autoridades — disse o chefe da FPU. Enquanto isso, o governo de Kiev não considera uma recuperação econômica como uma tarefa prioritária da sua política. Parece que a questão de prioridade é a escalada do conflito no Sudeste do país.

    Na semana passada os participantes do chamado Maidan dos Depositantes (grupo de cidadãos que exigem a  reestruturação dos créditos bancários em moeda estrangeira, com a aplicação da cotação existente no momento da assinatura dos contratos) realizaram uma ação de protesto perto da Suprema Rada (parlamento) da Ucrânia. Eles exigiram restituir o dinheiro aos depositantes de bancos em dificuldade e a demissão da chefe do Banco Nacional da Ucrânia, Valeria Gontareva.

    Os manifestantes bloquearam várias vezes o tráfego no centro de Kiev, queimaram pneus, e também foram registrados confrontos entre eles e a polícia. Em 21 de maio uma manifestação semelhante havia sido reprimida após uma reunião com os deputados ucranianos.

    Estas manifestações podem ser consideradas como um aviso às autoridades e, se não forem tomadas medidas para estabilizar a situação económica e social no país, podemos esperar uma nova escalada de protestos, o que já parece inevitável.

    Mais:

    Ucrânia não está pronta para ingressar na OTAN
    Casa Branca: EUA não estão dispostos a ir à guerra pela Ucrânia
    Hackers revelam: na Ucrânia não há dinheiro
    Rússia: Falta de pagamento de dívida por Ucrânia não afetará economia russa
    Tags:
    direitos trabalhistas, economia, finanças, protestos, salário, manifestações, Arseni Yatsenyuk, Pyotr Poroshenko, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar