21:23 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    A presidente da Argentina, Christina Fernandez de Kirchner

    Jornal: presidentes latino-americanas receberam ameaças do Estado Islâmico

    © AP Photo/
    Mundo
    URL curta
    0 1903222

    A presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, foi ameaçada de morte, supostamente pelo Estado Islâmico.

    Segundo o jornal Clarín, a polícia de Buenos Aires recebeu o email com ameaças à presidente em 26 de abril.

    "O sangue que os infiéis derramarão é o êxito do Islã a nível mundial. Estamos próximos do início de uma nova era", reza a mensagem.

    Além de Kirchner, o chefe da Polícia Federal, Román Di Santo, e a presidente do Chile, Michelle Bachelet, também foram mencionados como possíveis alvos.

    O autor da carta, firmada pelo "Estado Islâmico do Sul", frisa que os três devem morrer "para substituir Alberto Nisman", fiscal morto em janeiro de 2015, um dia antes de este apresentar ao Congresso a acusação formal de encobrimento de supostos terroristas iranianos que teriam explodido um centro judaico em Buenos Aires em 1994.

    Segundo o jornal, um acontecimento semelhante se deu em setembro de 2014, quando a polícia argentina recebeu três emails com ameaças. O fato foi divulgado pela própria presidente durante uma reunião com o papa Francisco.

    O Clarín especifica que pode se ter tratado de uma conspiração da SIDE, Secretaria de Inteligência de Estado, entidade fechada no início de 2015. Em 2014, a presidente comentou o assunto assim:

    "Se algo me acontecer, não olhem para o Oriente, olhem para o Norte".

    As mensagens com ameaças do ano passado também estavam assinadas pelo "Estado Islâmico do Sul". Naquela altura, o suposto culpado foi achado perto das Três Fronteiras (entre a Argentina, o Brasil e o Paraguai). Era um cidadão da Tunísia, em cujo computador foram encontrados os textos das cartas em questão.

    Mais:

    Argentina acusa Nisman de ter usado fundos destinados à investigação de atentado
    Juiz do caso Nisman diz que não há elementos para investigar Cristina
    Marcha silenciosa em homenagem a Nisman leva milhares às ruas na Argentina
    Opinião: na Argentina ocorre “golpe de Estado brando”
    Argentina quer tema do atentado de 1992 incluído nas negociações entre EUA e Irã
    Fiscal que tinha acusado presidente da Argentina foi assassinado, diz esposa
    Tags:
    Cristina Fernández de Kirchner, América Latina, Chile, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik