10:52 12 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 42
    Nos siga no

    As alegações do presidente ucraniano Pyotr Poroshenko de que a Rússia teria cerca de 11 mil soldados no leste da Ucrânia são "infundadas", segundo afirmou o porta-voz presidencial russo, Dmitry Peskov, em entrevista coletiva nesta quinta-feira (14).

    "Tais acusações infundadas, vagas e gratuitas nunca vão produzir um resultado positivo, para dizer o mínimo", disse o porta-voz. 

    Em entrevista veiculada hoje pela emissora pública alemã ZDF, o líder ucraniano mais uma vez voltou a acusar Moscou de enviar tropas para o sudeste da Ucrânia, afirmando que haveria atualmente cerca de 11 mil militares russos em seu país.    

    A região de Donbass vem sofrendo as consequências de uma operação militar lançada por Kiev em abril do ano passado para sufocar os movimentos de independência locais, que se recusaram a reconhecer a legitimidade do governo central após um golpe de Estado em fevereiro de 2014. Segundo dados da ONU, o conflito já deixou mais de 6.100 mortos desde então.

    No entanto, e apesar de um importante cessar-fogo alcançado em fevereiro deste ano com a mediação da Alemanha, da França e da Rússia, Poroshenko segue firme na retórica belicista. Na entrevista à ZDF, ele afirmou que Kiev lutará pela Ucrânia “até a última gota de sangue” e classificou o acordo de Minsk (documento que prevê o cessar-fogo como um dos pontos-chave para a resolução do conflito) como uma “pseudo-paz”, negando ao mesmo tempo a existência de uma retórica nacionalista nos círculos políticos do país. 

    Peskov, por sua vez, lembrou que a Rússia já refutou em múltiplas ocasiões as alegações de Kiev sobre o seu suposto envolvimento na crise ucraniana. Acusações semelhantes também foram levantadas contra Moscou por oficiais da OTAN e dos EUA, que afirmam ter evidências da participação da Rússia nas hostilidades entre as tropas de Kiev e os independentistas de Donbass. Tais “evidências”, contudo, nunca foram confirmadas de forma independente.

    Mais:

    Ocidente usa Twitter para tentar provar culpa de Putin no conflito na Ucrânia
    Donbass propõe proibir constitucionalmente entrada da Ucrânia na OTAN
    Rússia e EUA concordam: só acordo político soluciona crise na Ucrânia
    Perspectivas da autonomia do Donbass na Ucrânia
    Tags:
    golpe de Estado, Acordos de Minsk, Minsk, cessar-fogo, ZDF, OTAN, Pyotr Poroshenko, Dmitry Peskov, Lugansk, Kiev, Donetsk, Donbass, EUA, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar