02:43 21 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Vladimir Putin, presidente da Federação Russa

    Putin ratifica Arranjo Contingente de Reservas do BRICS

    © Sputnik/ Aleksey Nikolskyi
    Mundo
    URL curta
    BRICS: organização do futuro (189)
    0 462

    O volume geral do fundo é de 100 bilhões de dólares — sendo desses US$ 41 bilhões da China, US$ 5 bilhões da África do Sul, e US$ 18 bilhões os montantes do Brasil, Índia e Rússia.

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ratificou o acordo sobre o Arranjo Contingente de Reservas do BRICS no valor de 100 bilhões de dólares. O documento foi publicado no site da presidência. O documento contempla a criação de um fundo autogerido de reservas monetárias e cambiais para conter eventuais pressões cambiais dos países do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul). 

    “Ratificar o acordo sobre criação do Arranjo Contingente de Reservas do BRICS”, informa o documento assinado pelo presidente da Rússia. 

    As reservas deverão ser utilizadas como ferramenta de suporte no caso de pressões no balanço de pagamentos do BRICS, bem como uma prevenção a eventuais pressões. 

    O volume geral do fundo é de 100 bilhões de dólares — sendo desses US$ 41 bilhões da China, US$ 5 bilhões da África do Sul, e US$ 18 bilhões os montantes do Brasil, Índia e Rússia. Todos os participantes do fundo poderão solicitar ajuda. O valor do auxílio financeiro será determinado por coeficientes especiais. 

    O fundo será regido por um conselho administrativo, um comitê permanente e um coordenador, cujas funções serão desempenhadas pelo país a presidir o BRICS na ocasião.  

    Tema:
    BRICS: organização do futuro (189)

    Mais:

    Parlamento russo exalta papel do BRICS na "formação de nova ordem mundial" mais justa
    Ministro: Banco dos BRICS começará a funcionar até julho
    Banco e Fundo do BRICS complementam FMI e Banco Mundial
    Tags:
    BRICS, Vladimir Putin, África do Sul, Índia, China, Brasil, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik