05:51 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    US Secretary of State John Kerry, left, shakes hands with Iranian Foreign Minister Mohammad Javad Zarif

    EUA pedem ajuda do ‘país desestabilizador’ para resolver conflito no Iêmen

    © AP Photo / Rick Wilking, Pool
    Mundo
    URL curta
    0 105

    O Secretário do Estado norte-americano, John Kerry, se reuniu com o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, em Nova York e pediu-lhe ajuda nas negociações entre grupo radical xiita Houthi e o governo do Iêmen.

    A declaração foi citada pela agência noticiosa Reuters nesta quinta-feira (30).

    O Irã anteriormente tinha proposto um plano para resolver a crise no Iêmen e no Oriente Médio em geral, que prevê diálogo político, fornecimento de ajuda humanitária, trégua imediata e formação de um novo governo no país.

    A iniciativa foi divulgada pela primeira vez nos inícios de abril pelo vice-chanceler iraniano para assuntos da África e dos países árabes, Hossein Amir Abdollahian e foi chamada de "plano de Abdollahian". 

    Após disso a Organização das Nações Unidas declarou que apoia solução pacífica do conflito iemenita, mas nem a própria ONU, nem os EUA apoiaram o plano.

    No início de abril (6), o presidente Barack Obama já chegou a chamar o Irã de "desestabilizador" no Oriente Médio e prometeu "trabalhar com Omã e com outros aliados da região para combater as atividades desestabilizadoras do Irã na região”.

    E menos de um mês depois, os EUA pedem ao Irã para ajudar alcançar o acordo político no Iêmen supondo que as autoridades iranianas têm certa influência sobre os rebeldes houthis.

    "Indicamos aos iranianos que devem contribuir para uma solução e não ser uma parte do problema" enfatizou Obama durante uma entrevista na semana passada (22) e agora John Kerry mais uma vez repetiu o pedido.

    Desde agosto de 2014, os rebeldes xiitas houthis protestam contra o governo do presidente iemenita Hadi, que agora já fugiu o país. Os EUA e os aliados classificam os acontecimentos no país como um golpe do Estado e estavam prontos para fazer tudo para retornar Hadi ao poder (não tendo em conta o fato de que o seu mandato já acabou).

    Uma coalizão de países árabes lideradas pela Arábia Saudita e apoiada pelos EUA lançaram a operação Tempestade Decisiva (Decisive Storm) em finais de março e começaram a bombardear posições houthis no Iêmen. No dia 21 de abril a coalizão anunciou uma mudança da tática da sua intervenção no Iêmen. Dois dias depois começou a operação chamada Restaurando a Esperança.

    O especialista politico, redator-chefe do jornal Iran Press, Emad Abshenass, comentou a situação à Sputnik Persian:

    “O pedido dos EUA da ajuda no início do processo das negociações de paz por parte do Irã na realidade não é uma iniciativa nova. Este foi exatamente o plano do Irã para a resolução do crise no Iêmen. Muitos países exigiram o cessar-fogo e o começo das negociações, exceto a Arábia Saudita, e foi ela quem atacou o Iêmen."

    "O Irã desde o início declarou estar pronto para prestar ajuda e começar as negociações. O pedido de John Kerry nesta conexão é um tipo da mensagem à Arábia Saudita, que esta é a ordem de Washington à Riad que o Irã pode e irá prestar ajuda porque está interessado na solução pacífica do conflito”, sublinhou o especialista.

    Tags:
    declaração, paz, conflito, Mohammad Javad Zarif, John Kerry, Barack Obama, Iêmen, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik