18:06 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Explosão após um ataque aéreo da Arábia Saudita em Sanaa, capital do Iêmen

    Ataques aéreos da Arábia Saudita se intensificam e atingem a capital do Iêmen

    © AP Photo/ Hani Mohammed
    Mundo
    URL curta
    0 741114

    Os ataques aéreos liderados por uma coalizão saudita contra rebeldes xiitas se intensificaram no Iêmen nesta sexta-feira, com bombardeios na capital do país, Sanaa, e também na segunda maior cidade do país, Taiz.

    Com isso, os ataques atingiram seu nível mais intenso desde o início da campanha, no mês passado, segundo fontes locais do setor de segurança.

    Colunas espessas de fumaça subiam sobre Sanaa, com a explosão de estoques de armas nas montanhas próximas da cidade. Moradores continuavam a fugir da violência, de acordo com fontes, que pediram anonimato por não ter autorização para falar com a imprensa, segundo informa a Agência Estado.

    Em Taiz, os rebeldes conhecidos como houthis entraram em confronto com unidades do Exército leais ao presidente exilado, Abd Rabbuh Mansur Hadi, com tanques e metralhadoras disparando ao longo do dia e ataques aéreos atingindo uma base militar da Guarda Republicana, aliada dos houthis.

    Os ataques aéreos também continuam em Saada, bastião houthi no norte do país, e também em Áden, cidade portuária do sul iemenita que os rebeldes tentam tomar há semanas, em cooperação com forças leais ao ex-presidente Ali Abdullah Saleh.

    A Organização das Nações Unidas, por sua vez, pediu à comunidade internacional que forneça US$ 274 milhões para ajudar a salvar vidas e proteger 7,5 milhões de pessoas afetadas pelo conflito no país. Em comunicado, a Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que, junto com seus parceiros no Iêmen, necessitava de fundos para comprar equipamentos médicos, água potável, alimentos, abrigos de emergência e apoio logístico.

    Os confrontos entre os rebeldes e as forças leais a Hadi se intensificaram em março. A coalizão liderada pelos sauditas reunindo importantes países sunitas na região lançou ataques aéreos em 26 de março, mas até agora fracassou em interromper o avanço dos rebeldes ou levá-los a se entregar. 

    O Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU afirmou que os distúrbios mataram centenas de pessoas e deixaram pelo menos 150 mil sem casa. Segundo o escritório, a necessidade de abrigos se mostra como um assunto humanitário emergencial. 

    Mais:

    Plano do Irã pode salvar Iêmen
    Secretário-geral da ONU pediu cessar-fogo imediato no Iêmen
    Generais do exército do Iêmen abandonam Houthis e se aliam ao governo no exílio
    Al-Qaeda assume controle de aeroporto, terminal de petróleo e porto no Iêmen
    Tags:
    crise humanitária, ataque aéreo, sunitas, xiitas, ONU, Houthis, Abd Rabbuh Mansur Hadi, Arábia Saudita, Sanaa, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik