17:34 21 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Sede do Fundo Monetário Internacional (FMI)

    Conversas sobre ajuda à Grécia devem levar várias semanas, diz dirigente do FMI

    © flickr.com/ International Monetary Fund
    Mundo
    URL curta
    0 7402

    As negociações sobre um novo auxílio emergencial à Grécia devem levar ainda várias semanas, mesmo que o governo de Atenas requisite um acordo para ajudar a atender à grande necessidade de aumento de seus pagamentos prevista para junho, afirmou uma autoridade do Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta sexta-feira.

    "Deixe-me ser bem claro: para concluir a revisão do Fundo, nós precisamos de um pacote abrangente. Não podemos concluir a revisão baseando-nos em poucas medidas", afirmou o chefe do Departamento Europeu do FMI, Poul Thomsen, segundo a Agência Estado. "E isso irá claramente levar várias semanas a mais de discussão."

    Os credores europeus da Grécia têm expressado uma crescente frustração com o novo governo de Atenas, preocupados com a possibilidade de que o país não consiga mais fundos antes de ficar sem dinheiro. "Há sem dúvida a necessidade de que as negociações ganhem muito mais impulso nos próximos dias e semanas, a fim de concluir a revisão de maneira oportuna", afirmou Thomsen.

    Um dos arquitetos principais dos pacotes de ajuda à Grécia, Thomsen disse que um acordo para um novo pacote de financiamento precisa ser fechado antes que grandes parcelas da dívida do país comecem a vencer, em junho. "Claramente, é importante que se chegue a um acordo sobre um programa abrangente, que possa liberar o dinheiro antes disso", afirmou.

    Mais:

    Grécia afasta rumores de adiamento e paga empréstimo ao FMI no prazo
    Grécia: ministro irá aos EUA conversar com FMI e Tesouro
    Grécia negocia com a Rússia a compra de mísseis para sistemas de defesa antiaérea S-300
    Grécia está desenvolvendo 'todos os esforços' para cancelar sanções contra a Rússia
    Tags:
    ajuda financeira, dívida, economia, FMI, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik