15:30 21 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Manifestantes do grupo Reclaim Australia fazem protesto contra o extremismo religioso em Sydney

    Milhares de pessoas protestam contra o islamismo radical na Austrália

    © AFP 2017/ Peter PARKS
    Mundo
    URL curta
    0 35347

    Milhares de pessoas protestaram contra o islamismo radical em diversas cidades da Austrália neste sábado, de acordo com organizadores. As manifestações são "em defesa da identidade australiana" e contra islamismo radical.

    O grupo Recuperar a Austrália realizou protestos em 16 cidades contra o extremismo islâmico, à lei islâmica Sharia, sistema de leis que rege todos os aspectos da vida de um muçulmano, e à certificação alimentar Halal, que certifica as carnes que os seguidores do Islã podem comer.

    O confronto mais violento aconteceu em Melbourne, a segunda maior cidade da Austrália, onde a polícia teve que separar cerca de 3 mil pessoas que lutavam contra as manifestações. A polícia prendeu dois homens e uma mulher durante o tumulto no centro da cidade, disse a porta-voz Belinda Batty. As três pessoas já foram liberadas.

    Os manifestantes foram chamados de racistas por grupos de esquerda. No entanto, Rhonda Cashmore, do grupo Recuperar Austrália, disse que o protesto não era sobre racismo. "A maioria aqui está feliz com os imigrantes que se encaixam em nosso país. Estamos protestando contra aqueles que não querem seguir as nossas leis", disse Cashmore.

    O manifestante rival Gerard Morel disse que não concordava com o protesto contra o Islã porque seu avô tinha sido vitimado por nazistas durante a II Guerra Mundial. "O que eu vejo são dois grupos com ideais totalmente opostos", disse Morel. 

    fonte: Estadão Conteúdo

    Mais:

    Primeiro-ministro da Austrália compara opositor com famoso nazista
    Dois ciclones chegam à Austrália ao mesmo tempo
    Sanções da Austrália contra Rússia entram em vigor
    Tags:
    extremismo, protesto, manifestação, islamismo, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik